Página Inicial  |  Perfil  |  Equipe  |  Contato  | 
Links

  

redacao.noticia@noticiacapital.com.br
71 9128-9520

 
  Home - Poesias - O patrimônio Histórico e o bairro 2 de Julho
 

Categorias

  Brasil
  Cultura
  Cursos & Concursos
  Dos Blogs & Sites
  Economia
  Educação
  Entrevistas e Reportagens
  Esporte
  Geral
  Internacional
  Mosaico
  Municípios
  Notas
  Opinião
  Politica
  Salvador
  Saúde & Medicina
  Turismo
 

Colunistas

 Agenor Calazans
 Aldo Trípodi
 Alessandra Nascimento
 Gerson Brasil
 Gil Vicente Tavares
 Guto Amoedo
 Kim Niederauer
 Marcelo Torres
 Valter Xéu
 Vitor Carvalho
 

Serviços

  Coelba
  Embasa
  Auxílio a Lista
  Prefeitura de Salvador
  Previdência Social
  Receita Federal
 
COLUNISTAS
 Aldo Trípodi

 aldotripodi69@hotmail.com
 
O patrimônio Histórico e o bairro 2 de Julho
3 de Setembro de 2013 19:28

As Artes Visuais envolve a Arquitetura, Escultura, pintura e artes plásticas, e além disto Giulio Argan arquiteto e teórico das artes em em seu livro Guia de História da Arte, nos fala que “uma cidade inteira pode ser uma obra de arte” no entanto tais considerações levam em conta o seu patrimônio Histórico sua urbanização e humanização desde que uma vez que se  perde estas especificações deixa de ser uma patrimônio e perde sua identidade.

Ainda com resquícios da sua urbanização original como o vistoso sobrado que abriga o CEAO, o histórico Colégio Ypiranga, o  exemplo arquitetônico do Museu de Arte Sacra e seu riquíssimo acervo, o quase bi-centenário Clube Carnavalesco Fantoches da Euterpe, apenas alguns casarões habitados e outros prestes a ruir relembram o bucólico e tradicional Bairro 2 de Julho e seus entorno como as ruas do Sodré, Areal de Cima e Areal de Baixo, a abandonada Ladeira da Preguiça cantada por Elis Regina em belíssima composição de Gilberto Gil, hoje inteiramente  esquecida e quase  demolida pela especulação imobiliária.

Um foco de resistência é a Feira Livre que há décadas mantém de pai para filho vendedores   de bananas, cajus, abacaxis, melancias, umbus, pinhas, peixes frescos, plantas medicinais e uma infinidade de outros produtos, fazendo do Largo um mosaico vivo e multicolorido inspirador de artistas visuais e poéticos, em pleno Centro Histórico da Velha Bahia.  O bairro prima pela diversidade dos seus moradores e passantes, palco de boêmios jovens e idosos que freqüentam seus bares e ruelas com indisfarçável e melancólico orgulho das histórias passadas e recentes vividas no bairro outrora agraciado com vista total da Baia de Todos os Santos, hoje quase escondida pelos edifícios erguidos e que, infelizmente continuam sendo construídos de forma desordenada pela ânsia dos empresários e com o duvidoso aval de órgãos governamentais de tempos idos e também atuais.

O Bairro 2 de Julho está depredado, abandonado, feio, sujo, sem segurança pública e esteticamente desfigurado. Felizmente, moradores e passantes criaram o Movimento Nosso Bairro é 2 de Julho, constituído por intelectuais, artistas, produtores, comerciantes e pessoas outras com o objetivo de evitar que o bairro seja mais desfigurado mantendo  o que resta das suas características originais, sem tentar impedir os avanços do progresso, conquanto que esse progresso venha de forma respeitosa, trazendo melhorias de manutenção, preservação das suas peculiaridades e cuidado com o mais importante: o ser humano. O 2 de Julho é único e ainda original, esteticamente, muito tem perdido, muito a ser preservado e muito para ser resgatado. Essa fonte de inspiração inesgotável merece respeito e os seus moradores e amigos também.