Página Inicial  |  Perfil  |  Equipe  |  Contato  | 
Links

  

redacao.noticia@noticiacapital.com.br
71 9128-9520

 
  Home - Poesias - As Pinaúnas de Guel Silvera
 

Categorias

  Brasil
  Cultura
  Cursos & Concursos
  Dos Blogs & Sites
  Economia
  Educação
  Entrevistas e Reportagens
  Esporte
  Geral
  Internacional
  Mosaico
  Municípios
  Notas
  Opinião
  Politica
  Salvador
  Saúde & Medicina
  Turismo
 

Colunistas

 Agenor Calazans
 Aldo Trípodi
 Alessandra Nascimento
 Gerson Brasil
 Gil Vicente Tavares
 Guto Amoedo
 Kim Niederauer
 Marcelo Torres
 Valter Xéu
 Vitor Carvalho
 

Serviços

  Coelba
  Embasa
  Auxílio a Lista
  Prefeitura de Salvador
  Previdência Social
  Receita Federal
 
COLUNISTAS
 Aldo Trípodi

 aldotripodi69@hotmail.com
 
As Pinaúnas de Guel Silvera
15 de Outubro de 2013 12:33

Quando começou Geuk sutilmente tinha alguns traços do Pai Jenner Augusto, o que é natural foi sua primeira escola, mais depois desenvolveu sobre a abstrações formas própria criando assim sua linguagem pictórica e portentosa.

Ícone da arte contemporânea e do abstracionismo nacional, o artista plástico baiano Guel Silveira apresentará em Salvador a exposição Pinaúnas, fruto de sua nova fase artística, na Casa Cor Bahia 2013, no dia 24 de outubro, às 19h, no Shopping Iguatemi, em um coquetel exclusivo para arquitetos, decoradores, imprensa e convidados. A exposição ficará disponível para visitação até o dia 03 de novembro, quando termina a Casa Cor.

Pinaúnas apresenta 22 telas livremente inspiradas na vida marinha, feitas com tinta acrílica sobre cartão ou sobre tela. Sinalizando uma íntima continuidade com a sua exposição anterior, intitulada Abissal e realizada no ano passado, esta exibição de Guel Silveira na Casa Cor 2013 traz composições abstratas, marca da produção atual do artista, que reúnem geometrias deformadas e apêndices fractais.

Reconhecido por nomes como Mário Britto, Francisco Senna, Floriano Teixeira, James Amado, Ana Leonor, Calasans Neto, Jorge Amado, Paulo Darzé, Cesar Romero, Olney Kruses, Sante Scaldaferri e Jacob Klintowitz, Guel Silveira pontua que “Pinaúnas traz uma relação direta com o mar e com a natureza, é uma amostra do que eu faço agora, com telas nascidas de um passado que vem me acompanhando e de onde meu trabalho vai evoluindo gradativamente, um passado com raízes na infância e na adolescência no Rio Vermelho”.

Através do recorte abstrato, surge uma paleta de cores surpreendente – vagamente naturalista e que, ao mesmo tempo, transita entre o obscuro e o luminoso. Permite assim que os arranjos transmitam movimento, com volume e profundidade, dando a impressão de que as formas podem deslocar-se a qualquer momento diante do apreciador.

“Tintas, pincéis, pigmentos e cores dançam diante do olhar acostumado com toda aquela explosão. E o artista se descobre, cada vez mais, no seu universo íntimo, verdadeiro e profundo do inconsciente. É assim que Guel Silveira nos encanta com sua verdade e com sua paleta quase que espacial, onde as cores e nuances brincam”, afirma Zeca Fernandes, marchand que representa o artista através do Zeca Fernandes Escritório de Arte, situado na Bahia Marina. Sobre Guel Silveira:
O baiano Guel Silveira nasceu em Salvador em 1955. Começou como gravador, pintor abstrato, com experiências em spray, passando pela figuração lírica e retoma a abstração. Aos 20 anos, realizou sua primeira exposição individual no Museu de Arte da Bahia, em 1975. Antes disso, participou do Panorama da Arte Atual Brasileira em 1974 no MAM de São Paulo e de importantes mostras coletivas pelo Brasil. Já realizou inúmeras exposições individuais ao longo de sua trajetória artística por diversas cidades do Brasil, entre elas Rio de Janeiro, Curitiba, São Paulo, Recife, Brasília, Belo Horizonte, Aracaju e Salvador.