Página Inicial  |  Perfil  |  Equipe  |  Contato  | 
Links

  

redacao.noticia@noticiacapital.com.br
71 9128-9520

 
  Home - Poesias - Os 37 anos de Arte de Ernesto Simões
 

Categorias

  Brasil
  Cultura
  Cursos & Concursos
  Dos Blogs & Sites
  Economia
  Educação
  Entrevistas e Reportagens
  Esporte
  Geral
  Internacional
  Mosaico
  Municípios
  Notas
  Opinião
  Politica
  Salvador
  Saúde & Medicina
  Turismo
 

Colunistas

 Agenor Calazans
 Aldo Trípodi
 Alessandra Nascimento
 Gerson Brasil
 Gil Vicente Tavares
 Guto Amoedo
 Kim Niederauer
 Marcelo Torres
 Valter Xéu
 Vitor Carvalho
 

Serviços

  Coelba
  Embasa
  Auxílio a Lista
  Prefeitura de Salvador
  Previdência Social
  Receita Federal
 
COLUNISTAS
 Aldo Trípodi

 aldotripodi69@hotmail.com
 
Os 37 anos de Arte de Ernesto Simões
24 de Dezembro de 2013 09:19

Acontece no Espaço Decor, com o tema a Colheita “A MOSTRA” e estará aberta ao público até 30 de dezembro no horário de funcionamento da Loja. Designers de interiores e artistas plásticos foram convidados por  Sidna Sales, para criar nos diversos espaços da loja, elementos significativos natalinos: Mesas decoradas, Neste espírito acontecerá o evento, que contemplará uma instituição de caridade, com alimentos não perecíveis gentilmente doados pelos presentes.

Integrado ao clima e ambientações, acontecerá à mostra individual com as instalações de Leonício Santana e obras de Arte do Artista Plástico Ernesto Simões, que conferirá ao evento a arte como fator primordial para a vida, através da Arte Digital, Fotografia e Superfícies Texturais, num total de 40 trabalhos. Com esta mostra comemora 37 anos de Arte e nas suas obras atuais o que importa não é o veículo, a técnica, mas sim expressar seu universo e a colheita de tudo que plantou ao longo dos anos de trabalho.

“Em minhas criações atuais a arte computacional e a fotografia são destaques. Porém em alguns momentos depois de plotadas as imagens em canvas, faço intervenções com pintura. Também paralelamente realizo trabalhos com textura, onde este elemento estrutural da composição plástica é representado em alto relevo. E assim através destas diferentes formas de expressão, amplio meu olhar para a plasticidade, naquilo que considero relevante, exercitando minha percepção, senso estético, visão plástica, e de mundo”.

Nos 37 Anos Dedicados à Arte, a Colheita é a Total Liberdade de Criação, O tempo é nossa maior escola, tanto no âmbito pessoal como artístico, nos propiciando ampliar nossa visão de mundo, um amadurecimento para nos expressarmos, assim como compreendermos o conceito de arte como reflexo do nosso eu e do mundo em que vivemos.

Ao longo destes anos de experiências, depois de ter incursionado por várias vertentes, hoje, me privilegio dos frutos das sementes plantadas, pois no ofício por mim escolhido, e que foi despertado aos 20 anos, em 1976, me restabelecendo de um acidente automobilístico, em casa, numa cama hospitalar, onde comecei a pintar. Esta descoberta foi determinante para o decorrer da minha vida, me intuindo mais além que para uma profissão e sim num sentido mais amplo, uma realização pessoal.

Restabelecido em 1979 fiz Curso Livre da Escola de Belas Artes, da Universidade Federal da Bahia, e com conhecimentos adquiridos, prestei vestibular em 1980, ingressei no curso regular e cinco anos depois me graduei em Licenciatura em Desenho e Plástica. Posteriormente prestei dois concursos públicos para professor, sendo nomeado e assim lecionei por muitos anos arte e me aposentei. Paralelamente, a este percurso me dediquei à carreira artística, com vasta produção, participando de inúmeras exposições, concursos, sendo algumas vezes premiado. Ao desenho me dediquei e pesquisei bastante, por considerá-lo a base de todas as criações artísticas, tanto no que confere à concepção da forma, como nas pesquisas de luz e sombra, fundamentais no domínio da tridimensionalidade, assim como auxilia na harmonia cromática e soluções de composição plástica”. 

Além da Exposição compõem a mostra as mesas natalinas decoradas por Ricardo Ferreira, Elza Campelo, Zene Ferreira e Rita Gomes, Edilza Suzart, Felipe Caribé e Fabiana Candine, Luzia Vitório, Cris Camerino e Jaqueline Miguez.

A obra de Ernesto Simões é inspirada nos camponeses e escravos que colhiam seus frutos e festejavam o bom ano (de fartura nos alimentos). A festa da colheita dos frutos da terra e da vida (que se mantém a partir dos alimentos) “é o momento de lembrar e comemorar tudo o que foi plantado, e hoje, pode ser colhido” diz ele. Usa o cesto de palha como objeto representativo e de valor histórico e cultural.