Página Inicial  |  Perfil  |  Equipe  |  Contato  | 
Links

  

redacao.noticia@noticiacapital.com.br
71 9128-9520

 
  Home - Poesias - Um belo dum palavrão
 

Categorias

  Brasil
  Cultura
  Cursos & Concursos
  Dos Blogs & Sites
  Economia
  Educação
  Entrevistas e Reportagens
  Esporte
  Geral
  Internacional
  Mosaico
  Municípios
  Notas
  Opinião
  Politica
  Salvador
  Saúde & Medicina
  Turismo
 

Colunistas

 Agenor Calazans
 Aldo Trípodi
 Alessandra Nascimento
 Gerson Brasil
 Gil Vicente Tavares
 Guto Amoedo
 Kim Niederauer
 Marcelo Torres
 Valter Xéu
 Vitor Carvalho
 

Serviços

  Coelba
  Embasa
  Auxílio a Lista
  Prefeitura de Salvador
  Previdência Social
  Receita Federal
 
COLUNISTAS
 Marcelo Torres

 
 
Um belo dum palavrão
21 de Abril de 2014 11:53

Sexta retrasada, lendo uma velha e saborosa crônica de Carlos Heitor Cony, na qual ele narrava a biografia do seu bigode, fiquei tentado por uma palavra - que não era bigode.

E não é que, anteontem, ou seja, sete dias depois, uma sexta-feira santa, a palavrinha me aparece de novo! Agora, não mais na crônica de Cony, mas na voz de Ignácio de Loyola Brandão.

Faz-se necessário dizer que esses dois escritores de nomes pomposos, quando pequenos, foram coroinhas - meninos ajudantes de padre.

///////

Autor de "Quase Memória", Cony disse que um dia olhou-se no espelho e viu que, com aquela cara, estaria condenado a passar o resto da vida com jeito de coroinha. 

"Deixei então crescer o bigode e a concupiscência", escreveu ele, "sinceramente convencido de que jamais seria confundido com um ex-seminarista".

////////

Anteontem, na Bienal Brasil do Livro, na frente da Catedral, na Esplanada dos Ministérios, o ex-coroinha Loyola falava sobre a produção literária nos anos de chumbo e lembrava da obsessão dos militares pela "moral e bons costumes".

Então, ao ler alguns trechos das proibições impostas à imprensa, estava lá um artigo que condenava a concupiscência. Então, eis aqui a palavra: Concupiscência!

E o ex-coroinha, que tem nome de santo e tudo, logo fez um parêntesis e disse "Adoro essa palavra: concupiscência - ela quer dizer tesão" - e seguiu na leitura.

A coincidência - vocês adiante saberão o porquê - é que eu estava na primeira fila de cadeiras, junto com Lucas, e ri de leve, ri para mim mesmo, costurando fatos e lembranças.

//////////

Loyola é autor de "O menino que vendia palavras", Prêmio Jabuti 2008 de melhor livro de ficção, e levamos (eu e Lucas) o nosso exemplar para ele autografar.

////////

Sete dias antes, lendo a crônica de Cony, assim que vi a palavra concupiscência, ri sozinho - e Lucas chegou curioso: "Do que você tá rindo, papai?".

Disse-lhe que estava rindo do texto engraçado, mas no fundo eu ria porque lembrava do dia em que fui apresentado à concupiscência - não o pecado, mas a palavra.

Foi no Junco, numa manhã de domingo, dia de missa. Eu, em meus dez ou onze anos, sentado com o velho Adauto, bem na bancada dianteira, quase aos pés do altar. 

O padre Pinto - que dava pito público em qualquer cristão que atrapalhasse a sua palavra - ia celebrando a missa e todos nós o ouvíamos respeitosamente.

Lá pelas tantas, naquelas citações das antigas, ele mencionou duas expressões: a concupiscência da carne e a concupiscência dos olhos.

A palavra concupiscência, convenhamos, já é uma coisa cômica. E ainda vem o vigário e, querendo dar aquela ênfase ao sermão, fala pausada e silabicamente: 

- .... A CON-CU-PIS-CÊN-CIA da carne... A CON-CU-PIS-CÊN-CIA do olhos...

Mesmo sem saber que diabo vinha a ser concupiscência - pior ainda a da carne e a dos olhos - eu tive um ataque de riso.

Vou lhes confessar uma coisa: só não houve um vexame ainda maior porque, graças a Deus, eu estava com a bexiga e o estômago vazios.

Vocês sabem que, nesses ataques de riso, nós empregamos a maior força do mundo para segurar, mas não seguramos. E o pior: quanto mais alguém olha sério para você, mais você chora de rir.

Pois, então, quanto mais o padre Pinto, me olhava -  talvez já me condenando ao fogo dos infernos -, aí é que eu ria rios de lágrimas, e as enxugava na manga da camisa.

E como não era possível controlar o acesso de riso do filho, o velho, sem saber onde enfiar a cara de vergonha, ordenou que eu fosse brincar lá fora - não sem antes torcer  a minha já ardente orelha esquerda, a ponto de quase arrancá-la.

Depois da missa, já em casa, embora eu não tenha caído no relho nem ficado de castigo, como era o normal acontecer, o que não me faltou foi esporro, sermão, resmungo, pergunta.

- Você endoidou de vez? É pecado rir dos outros! Ainda mais de um padre! Você matou seu pai de vergonha! 

/////

Depois dos sermões do velho, da velha e até dos tios - pois uma coisa que nossos tios sabem fazer é dar queixa de nós aos nossos pais -, não tive coragem de falar da palavra, e perguntar o significado. 

Tive medo de levar mais bronca, de azedar mais a situação, medo também de que eles não quisessem ou não soubessem responder.

/////

Foi o primo Bento Augusto que, no dia seguinte, me explicou o que era concupiscência. Mais velho dois anos, ele era coroinha (olha aí mais um coroinha) e sabia tudo de igreja, os mandamentos, os pecados, os sacramentos - eu dizia que ele era uma "enciclopédia eclesiástica".

Bento Augusto presenciara a cena. Na hora, ele estava ao lado do padre, metido naquela roupa de ajudante de missa e eu ainda pude ver, de relance, que o olhar dele era de quem queria me matar.

- Que doidice foi aquela ontem, primo? - lá veio ele me passar sermão. - Você matou Tio Adauto de vergonha! Você estava rindo de quê?
- O padre falou uma palavra cômica.
- Que palavra?
- Concupiscência.
- Mas que graça tem a palavra?
- É que ele falou "con-cu-pis-cên-cia". Foi hilário aquele "con-cu".
- Misericórdia, primo! Creindeuspai! 
- Foi engraçado, ora! 
- Primo, você precisa entrar no catecismo.
- Deus que me livre!
- Não fale uma besteira dessa! E não use o santo nome em vão! Que Deus perdoe seus pecados.
- Amém!

////////

Tempos depois, vejo que o querido primo Bento Augusto não seguiu a vocação sacerdotal, casou, é pai de família e empresário bem-sucedido, graças a Deus.
O padre Pinto largou a batina, foi morar em outra cidade, casou com a Viúva, pois virou prefeito, e se amigou com uma mulher que lhe deu dois filhos. 

E eu - sem ter feito o catecismo recomendado por Bento Augusto - continuo rindo da concupiscência, esse vocábulo exótico e sugestivo, com suas cinco sílabas, suas catorze letras e essa sonoridade perturbadora. É ou não é um belo de um palavrão (marcelocronista@gmail.com)