Página Inicial  |  Perfil  |  Equipe  |  Contato  | 
Links

  

redacao.noticia@noticiacapital.com.br
71 9128-9520

 
  Home - Poesias - Prosa de sete faces
 

Categorias

  Brasil
  Cultura
  Cursos & Concursos
  Dos Blogs & Sites
  Economia
  Educação
  Entrevistas e Reportagens
  Esporte
  Geral
  Internacional
  Mosaico
  Municípios
  Notas
  Opinião
  Politica
  Salvador
  Saúde & Medicina
  Turismo
 

Colunistas

 Agenor Calazans
 Aldo Trípodi
 Alessandra Nascimento
 Gerson Brasil
 Gil Vicente Tavares
 Guto Amoedo
 Kim Niederauer
 Marcelo Torres
 Valter Xéu
 Vitor Carvalho
 

Serviços

  Coelba
  Embasa
  Auxílio a Lista
  Prefeitura de Salvador
  Previdência Social
  Receita Federal
 
COLUNISTAS
 Marcelo Torres

 
 
Prosa de sete faces
13 de Julho de 2014 19:51

Até em jogo sem Brasil tinha a música.

 

“Sááá-bêê...

 

Sô bra-si-lêê-rô...

 

Com muintorgúúúúlhô...

 

Com muint’amôô-ô-ô...”

 

 

//////////////

 

 

Mas bastaram sete bolas.

 

Apenas sete gols.

 

E ninguém mais cantou.

 

Foi-se o orgulho?

 

Acabou o amor?

 

 

///////////////////

 

 

 

Até as 17 horas os brasileiros...

 

- EU ACREDITO.

 

Não, não era um simples palpite.

 

Nem mero voto de confiança.

 

Era uma jura, Drummond.

 

Jura de mãos espalmadas:

 

- EU ACREDITO.

 

Meia-hora depois, cinco para Alemanha.

 

E a frase já era...

 

- EU NÃO ACREDITO.

 

 

///////////////

 

 

Sabe aquele ilustre locutor brasileiro?

 

Sim, o da famosa emissora!

 

É, aquele que sempre evoca os deuses do futebol!

 

Sim, aquele mesmo!

 

Vivia dizendo que a Alemanha “joga qualquer coisa parecida com futebol”.

 

Todo mundo pedia para calar a boca.

 

Mas ele não calou.

 

Então veio o castigo.  

 

Gol da Alemanha.  Gol da Alemanha. Gol da...

 

 

/////////////////

 

 

 

Ah, meu velho, não vem, não!

 

Agora você quer dizer que “já sabia”?

 

Ah, sabia!

 

Sabia...

 

Sabia uma pinoia que você sabia.

 

Nem Einstein, que sabia quase tudo.

 

Nem ele sabia.

 

Ele está boquiaberto?

 

Está com aquela imensa língua de fora?

 

Não, não é gozação.

 

É cansaço.

 

E é surpresa.   

 

Einstein não sabia.

 

Tudo bem que a Alemanha tem um timaço.

 

Tem Goethe, Nietsche, Bach.

 

Tem Mozart, Beethoven.

 

E mais Hegel, Marx, Brecht.

 

E nenhum sabia.

 

Agora você vem me dizer que já sabia?

 

Nem Bento XVI sabia.  

 

Ele que deixou o trono para um argentino.

 

Na verdade, nem Deus sabia!

 

Deus que é brasileiro com muito orgulho, com muito amor.

 

E se estão dizendo por aí que foi sete.

 

Lembre-se que sete é coisa de mentiroso.

 

Então, meu caro, não houve nada.

 

Somos bem moços para tanta tristeza.

 

Como diz a música.

 

Deixemos de coisa e cuidemos da vida.

 

Tudo o que estão dizendo por aí é mentira.

 

É tudo mentira, meu caro amigo.

 

Tudo, tudo, tudo mentira.

 

 

 

//////////////

 

Foi David contra Golias.

 

Não, não foi.

 

Foi David Luiz contra Göetze.

 

- Ué, mas Göetze não jogou!

 

- Ora, mas David Luiz também não!  

 

 

 

//////////////

 

 

E todos eram Neymar.

 

“Somos todos Neymar.”

 

Era o que diziam.  

 

Tudo mentira.

 

Nenhum era Neymar.

 

Nenhum foi Neymar.

 

Nenhum.

 

Nem mesmo ele, Neymar.

 

Nem Neymar foi Neymar.

 

Neymar foi uma máscara.

 

Aquela máscara distribuída por uma agência de propaganda.

 

Por fim, amigo.

 

Eu não devia te dizer.

 

Mas essa lua.

 

Mas essa cerveja.

 

E essa goleada, então.

 

Botam a gente comovido como o diabo.

   

(Marcelo Torres, jornalista, baiano, mora em Brasília, é torcedor do Vitória - marcelocronista@gmail.com)