Página Inicial  |  Perfil  |  Equipe  |  Contato  | 
Links

  

redacao.noticia@noticiacapital.com.br
71 9128-9520

 
  Home - Poesias - “O rebucetê e o circuncisfláutico”
 

Categorias

  Brasil
  Cultura
  Cursos & Concursos
  Dos Blogs & Sites
  Economia
  Educação
  Entrevistas e Reportagens
  Esporte
  Geral
  Internacional
  Mosaico
  Municípios
  Notas
  Opinião
  Politica
  Salvador
  Saúde & Medicina
  Turismo
 

Colunistas

 Agenor Calazans
 Aldo Trípodi
 Alessandra Nascimento
 Gerson Brasil
 Gil Vicente Tavares
 Guto Amoedo
 Kim Niederauer
 Marcelo Torres
 Valter Xéu
 Vitor Carvalho
 

Serviços

  Coelba
  Embasa
  Auxílio a Lista
  Prefeitura de Salvador
  Previdência Social
  Receita Federal
 
COLUNISTAS
 Marcelo Torres

 
 
“O rebucetê e o circuncisfláutico”
1 de Setembro de 2014 18:26

Esta crônica era para ser “O rebucetê de Jorge Amado e o circuncisfláutico de Mário de Andrade e Jô Soares”, na ideia de que essa santíssima trindade atraísse para a leitura.

Convenhamos, porém, que ficaria o título muito comprido, já a denunciar um texto pesado e pedante. Melhor assim: dois substantivos, dois artigos e a conjunção, cinco termos.

E essas duas palavronas? A primeira, rebucetê, só pode ser coisa de baiano, enquanto circuncisfláutico parece de carioca, embora ambas estejam aí para quem quiser usá-las.

Palavras são criaturinhas livres que correm mundos. Viajam até mesmo em lombo de cavalo, como as de Guimarães Rosa.E se propagam por bocas, telinhas, telonas e páginas da literatura.

E o que é o circuncisfláutico? É o moço que parece ter mérito e não o tem, tipo pedante e também misterioso, sombrio, macambúzio, sorumbático ou, numa palavra, circunspecto.

O jornalista Ancelmo Gois, um sergipano carioca, publicou no dia 23 de maio de 2012, em sua coluna n’O Globo, uma nota sobre o palavreado do senador e ex-presidente Fernando Collor:

“Collor, na CPI do Cachoeira, tem chamado atenção pelo linguajar circuncisfláutico. Quinta-feira, ao justificar a tentativa de convocação de Policarpo Jr, da revista Veja, declamou:

- Não se me acoime de ter comportamento alapado, lançadiço ou rafeiro em relação ao hebdomadário em tela.

O colunista, então, teve que recorrer ao Aurélio, para explicar aos leitores:

- “Acoimar” é castigar. “Alapado” é escondido. “Lançadiço” é desprezível. “Rafeiro” é quem acompanha sempre o outro, como cão de guarda. “Hebdomadário” é semanário, caso da [revista] “Veja”.

Por fim, Ancelmo explicou o termo que ele próprio usou: “Circuncisfláutico quer dizer rebuscado, pretensioso”.

Em um trecho de “O turista aprendiz”, Mário de Andrade usa a referida palavra: - Fico meio circuncisfláutico com esses bairrismos. Já o Jô, Jô Soares, assim escreveu em “As esganadas”:

- A cada passo que dá, vai se metamorfoseando outra vez no circuncisfláutico diretor funerário Aristarco Pedrosa.

E o outro termo, o rebucetê? Bem, este fica por conta da arte e do engenho do amado baiano Jorge, que escreveu em Tieta do Agreste: - Osnar sorri consigo mesmo, vai ser uma pândega, um rebucetê.

Com a irreverência que a Bahia lhe deu, Jorge Amado pegou o “rebu”, de rebuliço, misturou-o ao nome chulo do órgão sexual feminino e os temperou com sonoridade afrancesada.

Rebucetê é, portanto, uma confusão, algazarra e farra, às vezes até com apelo sexual. Sem dúvida, duas palavras expressivas, cheias de ironia e galhofa, como o espírito de baianos e cariocas.
(marcelocronista@gmail.com)