Página Inicial  |  Perfil  |  Equipe  |  Contato  | 
Links

  

redacao.noticia@noticiacapital.com.br
71 9128-9520

 
  Home - Poesias - Presente de grego
 

Categorias

  Brasil
  Cultura
  Cursos & Concursos
  Dos Blogs & Sites
  Economia
  Educação
  Entrevistas e Reportagens
  Esporte
  Geral
  Internacional
  Mosaico
  Municípios
  Notas
  Opinião
  Politica
  Salvador
  Saúde & Medicina
  Turismo
 

Colunistas

 Agenor Calazans
 Aldo Trípodi
 Alessandra Nascimento
 Gerson Brasil
 Gil Vicente Tavares
 Guto Amoedo
 Kim Niederauer
 Marcelo Torres
 Valter Xéu
 Vitor Carvalho
 

Serviços

  Coelba
  Embasa
  Auxílio a Lista
  Prefeitura de Salvador
  Previdência Social
  Receita Federal
 
COLUNISTAS
 Marcelo Torres

 
 
Presente de grego
17 de Dezembro de 2014 14:20

- Sabe qual é o presente que mais gosto de dar e de receber?

- Qual?

- Livro.

- É, livro é sempre um bom presente.

- Agora mesmo, no amigo secreto, estou pensando em dar a biografia de Sócrates.

- Só sei que nada sei...

- Não, não é o filósofo grego, é o jogador.

- O jogador brasileiro?

- Sim, o ex-jogador brasileiro.

- Porque, você sabe, tem Sócrates que é jogador grego.

- É, tem mesmo. Inclusive, na Copa, tinha um Sócrates na seleção da Grécia. Agora, por falar em Grécia, você sabia que o famoso filósofo ateniense não deixou nada escrito?

- Não deixou nada escrito? Você tá doido! E o "só sei que nada sei"? E "conhece-te a ti mesmo"? E tudo que a gente leu sobre Sócrates?

- As ideias de Sócrates foram difundidas pelos outros. Por Platão, por exemplo.

- Rapaz... Quer dizer então que Sócrates não disse tudo aquilo que dizem que ele disse?

- Não sei se ele disse. Deve ter dito. Só sei que... Só sei que ele não escreveu nada.

- É sério, sério mesmo? Sócrates não publicou nada, nada, nada?

- Que se sabia, nada. A não ser que apareça alguém e desenterre alguma coisa...

- Caraca! Essa é nova pra mim. Mas...você ia falando do Sócrates brasileiro.

- Pois é, o "nosso" Sócrates... Era brasileiro até no nome.

- E publicou livro?

- Olha, ele deixou muitas crônicas escritas e essas viraram livro.

- E é esse que você vai dar de presente?

- Não, o que vou dar de presente é uma biografia cujo título é "Sócrates".

- Uma autobiografia?

- Não. É uma biografia não autorizada. Foi escrita por Tom Cardoso.

- Por quem???

- É um jornalista. E parece que o livro é muito bom. Li uma resenha esses dias.

- Hum... Bom, neste caso, você faz o seguinte: você compra o livro, lê primeiro e, depois de ler, você dá de presente.

- É uma ideia, né? Se não arranhar, não rasgar, não riscar...

- Já fiz muito isso com discos, no tempo que era LP, lembra? Comprava o disco, ouvia, às vezes até gravava em fita cassete, e só depois presenteava.

- Mas eu estou com medo de dar "Sócrates" de presente.

- Oxente! Por quê?

- Meu amigo secreto é...

- Vai revelar?

- Vou revelar: é o Jair.

- Vixe! Palmeirense doente, odeia o Corinthians e Sócrates era Corinthians até a medula.

- Era, era. Mas nem é tanto isso minha preocupação. Porque talvez ele nem se importe com o fato de Sócrates ter jogado no Timão. Meu maior temor é outro nem maior.

- Fala! Qual é?

- Você sabe que Jair vive a louca paranoia "anticomunista", não é?

- É, sei. Ele é meio louco com isso. Tudo pra ele é "comunismo". Até eu e você, segundo ele, somos comunistas desde criancinha.

- Pois é, e Sócrates era comunista de fuma charuto com Fidel e tudo. Apoiava Cuba.

- Hum.. É vero...

- Sócrates apoiava Hugo Chávez, sempre votou em Lula, votou em Dilma...

- Aí lascou! Vai ser um presente de grego. Compre outro livro que é melhor.

- Mas que outro? As leituras de Jair são...

- Por que você não dá aquele livro de Reinaldo Azevedo?

- Você tá louco? Esse cara é um rottweiler.

- Mas ele gosta! E quem tem que gostar do presente é ele! Não é você que tem que gostar, é o presenteado! Se ele gosta...

- Isso é verdade. Pensando bem, é isso mesmo, ele que tem que gostar. Eu nem tinha pensado nisso.

- Você sabe, ele gosta desse povo: Reinaldo, Lobão, Pondé, Olavo... Todos esses.

- Eu sei, ele gosta desses todos aí.

- Ah, e tem um outro que não falei, mas pode ser incluído na mesma turma. O Merval Pereira...

- Olha aí! Agora você deu a dica: Merval. Jair é fã do Merval, repete tudo que o Merval escreve, como se fossem verdades absolutas.

- Pois é, compre o Merval! Tem o status da Academia Brasileira de Letras.

- Pois é. Vou comprar o Merval e dar a ele. Ele vai gostar.

- Aí, lá na hora do amigo secreto, você descreve assim: "Meu amigo oculto é um..."

- "... é um fã do Merval Pereira".

(marcelocronista@gmail.com)