Página Inicial  |  Perfil  |  Equipe  |  Contato  | 
Links

  

redacao.noticia@noticiacapital.com.br
71 9128-9520

 
  Home - Poesias - Quando ser o vice é vantagem
 

Categorias

  Brasil
  Cultura
  Cursos & Concursos
  Dos Blogs & Sites
  Economia
  Educação
  Entrevistas e Reportagens
  Esporte
  Geral
  Internacional
  Mosaico
  Municípios
  Notas
  Opinião
  Politica
  Salvador
  Saúde & Medicina
  Turismo
 

Colunistas

 Agenor Calazans
 Aldo Trípodi
 Alessandra Nascimento
 Gerson Brasil
 Gil Vicente Tavares
 Guto Amoedo
 Kim Niederauer
 Marcelo Torres
 Valter Xéu
 Vitor Carvalho
 

Serviços

  Coelba
  Embasa
  Auxílio a Lista
  Prefeitura de Salvador
  Previdência Social
  Receita Federal
 
COLUNISTAS
 Marcelo Torres

 
 
Quando ser o vice é vantagem
25 de Julho de 2015 19:19

No Rio, há anos a torcida do Flamengo chama o Vasco da Gama de vice, não importando se, no momento da gozação, o clube de São Januário é vice ou não.

 

Tudo começou em 1979, quando o Flamengo chegou a três títulos seguidos em cima do Vasco e um flamenguista descobriu duas curiosidades sobre o nome do arquirrival. 

 

A primeira é que Vasco da Gama era o navegante português que foi o vice-rei das Índias. A segunda é que um vice-rei de Portugal no Brasil também era Vasco – mas não era da Gama.

 

Com esses dois fatos históricos, a piada estava pronta. "O Vasco da Gama é vice há 500 anos".

 

Na Bahia, os torcedores do Bahia plagiaram a gozação dos flamenguistas e passaram a chamar de vice o arquirrival Vitória, não importando se este era ou não vice.

 

Já os torcedores, em revide, chamam o Bahia de Jahia (porque eles só falam do que o time já foi – e se já foi, Jahia). Mas a gozação maior sobre o Bahia é chamá-lo de Sardinha.  

 

Este apelido foi colocado pelo técnico Joel Santana, que treinou o clube quatro vezes (portanto, conhecia bem o clube e sabia do que estava falando). 

 

Joel estava desempregado e, um dia, participando do programa "Bem, Amigos", no SporTV, foi perguntado se iria treinar o Bahia, que estava sem treinador.

 

- Não - ele renegou de primeira. - Eu quero [treinar] é peixe grande, Sardinha não, Sardinha não. 

 

Com isso, a torcida do Vitória ganhou, sem qualquer esforço, um motivo para fazer a gozação contra o rival. Tanto é que, depois disso, toda vez que um time vence o Bahia, já há uma piada pronta.

 

Exemplos: quando o Santos vence o Bahia, diz-se que o Peixe comeu a Sardinha. Quando é Flamengo, fala-se que o Urubu engoliu a Sardinha. O Galo come a Sardinha, a Raposa come a Sardinha, o Porco come a Sardinha, o Gavião come a Sardinha.

 

No último sábado foi o Tigre, em Criciúma, que comeu a Sardinha. Antes, o Leão da Barra é que havia comido a Sardinha em quatro mordidas, placar (4x1) que fez lembrar as goleadas de 5a1 e 7a3, verdadeiras promoções de Sardinhas ocorridas em 2013.

 

Nesta quarta-feira quem papou a Sardinha foi o Papão (Paysandu), eliminando da Copa do Brasil aquele que é o atual vice-campeão da Copa do Nordeste, o Bahia. 

 

Como consolo, com o avanço do Ceará na Copa do Brasil, a vaga do campeão do Nordeste na Copa Sul-Americana passou a ser do atual VICE nordestino, que é o Bahia.

 

Embora eles nos chamem de vices (e nós não somos), bem que queríamos ser, para ter direito a essa vaga que agora é deles. Vaga que assumem porque conquistaram, com méritos, o vice-campeonato.

 

O Bahia prova, assim, que ser o vice é bom. Por isso, não posso deixar de parabenizar o rival pelo vice-campeonato, que agora lhe outorga essa vaga na Sul-Americana. Vice?

(marcelocronista@gmail.com