Página Inicial  |  Perfil  |  Equipe  |  Contato  | 
Links

  

redacao.noticia@noticiacapital.com.br
71 9128-9520

 
  Home - Poesias - As transmutações das Pinaunas
 

Categorias

  Brasil
  Cultura
  Cursos & Concursos
  Dos Blogs & Sites
  Economia
  Educação
  Entrevistas e Reportagens
  Esporte
  Geral
  Internacional
  Mosaico
  Municípios
  Notas
  Opinião
  Politica
  Salvador
  Saúde & Medicina
  Turismo
 

Colunistas

 Agenor Calazans
 Aldo Trípodi
 Alessandra Nascimento
 Gerson Brasil
 Gil Vicente Tavares
 Guto Amoedo
 Kim Niederauer
 Marcelo Torres
 Valter Xéu
 Vitor Carvalho
 

Serviços

  Coelba
  Embasa
  Auxílio a Lista
  Prefeitura de Salvador
  Previdência Social
  Receita Federal
 
COLUNISTAS
 Aldo Trípodi

 aldotripodi69@hotmail.com
 
As transmutações das Pinaunas
12 de Janeiro de 2016 20:57

Mário Brito e Zeca Fernandes organizaram e lançaram um livro sobre a fase pinaúnas de Guel Silveira intitulado “Pinaúnas, estilhaços de estrelas”, que além dos textos dos organizadores ainda conta com textos de César Romero, Heloisa Azevedo e Thiago de Mello. Oportuno, transcrevo o que escrevi no livro. 

A capacidade de transmutar formas pré-existentes em abstrações perpassa pela capacidade do artista como definiu Klee “em não refletir o visível, mas fazer visível (READ, 1983). E Guel consegue trazer esta realidade à tona na série Pinauna, todo o visível que cerca a sua alma, explora este elemento na forma de memórias de sua vida praieira. Não usa do realismo fácil ao contrário através de manchas superpostas levemente circulares mais não rígidas por uma geometria rigorosa, justo o contrário expande este elemento extrapolando suas fronteiras alinhando a uma composição harmônica.
Aliás, harmonia, composição cor, e transformação sempre foi uma marca registrada em seus trabalhos fruto de uma carreira de onde sempre buscou encontrar o êxito da obra. Como Bem diz o Poeta Thiago de Mello “É um transformador de ofício. Um encantador. Transfigura a realidade para mostrar a essência dos seres e das coisas: a beleza escondida, a dor apagada, a explicação do milagre”.
Esta fase de Guel fascina pela capacidade de envolvimento, diga-se de passagem, que isto faz parte de seu caráter e alma é um homem envolvente uma personalidade coerente com seu oficio, no seu exercício do fazer artístico, metódico e monástico, sem, no entanto como já disse antes, deixar a candura e docilidade que sorrateiramente escapa do seu pincel às pessoas que o conhece.
Guel tem um trabalho consistente, sólido, maturado por uma convicção pessoal de quem tem alma de artista e busca resultados, sem experimentalismos, sem espelhar-se em modas e modismos imprime uma caligrafia própria, isto é fundamental ao artista e deste não temos dúvida alguma. Constrói uma história na arte baiana que deixara marcas justas e merecidas.
Quem desejar adquirir um livro é só entrar em contato com Escritório de Arte Zeca Fernandes, Alameda das Espatódeas, 149, Caminho das Árvores, Tel (71) 3019-9977