Página Inicial  |  Perfil  |  Equipe  |  Contato  | 
Links

  

redacao.noticia@noticiacapital.com.br
71 9128-9520

 
  Home - Poesias - “ARTE NA MESA” da artista Dulce Cardoso mostra cerâmica utilitária
 

Categorias

  Brasil
  Cultura
  Cursos & Concursos
  Dos Blogs & Sites
  Economia
  Educação
  Entrevistas e Reportagens
  Esporte
  Geral
  Internacional
  Mosaico
  Municípios
  Notas
  Opinião
  Politica
  Salvador
  Saúde & Medicina
  Turismo
 

Colunistas

 Agenor Calazans
 Aldo Trípodi
 Alessandra Nascimento
 Gerson Brasil
 Gil Vicente Tavares
 Guto Amoedo
 Kim Niederauer
 Marcelo Torres
 Valter Xéu
 Vitor Carvalho
 

Serviços

  Coelba
  Embasa
  Auxílio a Lista
  Prefeitura de Salvador
  Previdência Social
  Receita Federal
 
COLUNISTAS
 Aldo Trípodi

 aldotripodi69@hotmail.com
 
“ARTE NA MESA” da artista Dulce Cardoso mostra cerâmica utilitária
14 de Maio de 2013 09:36

A Galeria Nelson Daiha do SENAC Pelourinho promoverá a abertura da exposição individual ARTE NA MESA, da ceramista Dulce Cardoso, no dia 18 de maio de 2013, sábado, às 16h. A mostra ficará em cartaz até o dia 01 de junho.

Para esta exposição, a artista produziu 12 peças utilitárias, moldadas e esmaltadas, umas na cor branca e outras de fortes coloridos. São peças que podem, literalmente, ir à mesa, como também servir de elemento decorativo. Informa o artista e crítico Justino Marinho, curador da mostra. “Pensei nas peças em função da galeria estar ligada ao Museu da Gastronomia do SENAC”, enfatiza Dulce, referindo-se ao simpático espaço que fica no largo do Pelourinho e que diariamente recebe dezenas de visitantes interessados nos segredos da nossa gastronomia.

Dulce Cardoso começou a trabalhar profissionalmente com a cerâmica no início dos anos 1980, quando realizou curso livre nas Oficinas do Museu de Arte Moderna da Bahia- MAMBA. Anteriormente, já havia visitado os oleiros de Maragogipinho e conhecido o Mestre Vitorino, através de quem tomou conhecimento da existência das Oficinas do MAMBA. Também já havia conhecido o famoso ceramista Udo Knoff e sua esposa Hortência, que ministravam curso livre na Escola de Belas Artes da Universidade Federal da Bahia.

Após seis meses de aprendizado nas Oficinas do MAMBA (1984), juntamente com um grupo de ceramistas argentinos, aprendeu os segredos da utilização das tintas e esmaltes aplicados na decoração das peças de cerâmica. Após sedimentar seus conhecimentos iniciais, transgrediu as normas convencionais, tradicionalmente ensinadas nos cursos e escolas, e foi criando suas próprias convicções. Das pequenas peças confeccionadas inicialmente, passou a trabalhar com objetos maiores e mais complexos. Atualmente, é detentora dos muitos segredos da cerâmica, desde o preparo da argila até a queima em seus diversos fornos.

Participou de feiras, salões oficiais, exposições coletivas e realizou também, mostras individuais em galerias de Salvador e de outras cidades do país, além de exposições individuais realizadas no Museu de Arte Moderna da Bahia, no Museu Udo Knoff e no Museu Abelardo Rodrigues. Seus grandes painéis podem ser vistos em vários locais. No Centro de Convenções de Salvador, no Complexo de Sauípe, no Hotel Portal de Lençóis e na Escola de Musica da UFBA, além de residências particulares.

Dulce desenvolveu também, um trabalho utilizando à cerâmica e o vidro. Técnica que aprendeu em 1996, em São Paulo, com o professor uruguaio Roberto Bonino (1932-2008), conhecido como o Mestre Vidreiro e especialista na técnica do “FUSING”. O FUSING é a técnica utilizada para moldar uma ou mais placas de vidro plano, através de moldes criados previamente pelo artista, sendo submetidos à temperaturas elevadas em fornos apropriados, onde vão se fundir, se acomodar e assumir novas formas. Em Buenos Aires, estudou com o importante ceramista argentino Jorge Fernandez Chiti (1940) que possui inúmeros livros editados sobre a arte cerâmica na Argentina.

Em seu atelier, a artista tem formado dezenas de profissionais e criado centenas de peças nas quais imprime sua marca pessoal.  Dulce lamenta a falta de uma maior união entre os artistas da cerâmica e a falta de interesse desses profissionais pelo fortalecimento da Associação que já existe e já teve seus dias de ascensão e de atuação significativa. “A união desses profissionais daria uma maior visibilidade a cerâmica e ajudaria a divulgar muito mais sua importância”, afirma Dulce.