Página Inicial  |  Perfil  |  Equipe  |  Contato  | 
Links

  

redacao.noticia@noticiacapital.com.br
71 9128-9520

 
  Home - Poesias - A pintura misteriosa de Adilson dos Santos
 

Categorias

  Brasil
  Cultura
  Cursos & Concursos
  Dos Blogs & Sites
  Economia
  Educação
  Entrevistas e Reportagens
  Esporte
  Geral
  Internacional
  Mosaico
  Municípios
  Notas
  Opinião
  Politica
  Salvador
  Saúde & Medicina
  Turismo
 

Colunistas

 Agenor Calazans
 Aldo Trípodi
 Alessandra Nascimento
 Gerson Brasil
 Gil Vicente Tavares
 Guto Amoedo
 Kim Niederauer
 Marcelo Torres
 Valter Xéu
 Vitor Carvalho
 

Serviços

  Coelba
  Embasa
  Auxílio a Lista
  Prefeitura de Salvador
  Previdência Social
  Receita Federal
 
COLUNISTAS
 Aldo Trípodi

 aldotripodi69@hotmail.com
 
A pintura misteriosa de Adilson dos Santos
26 de Maio de 2013 20:26

Há uma década sem expor na capital baiana, o pintor Adilson Santos, ganha retrospectiva inédita, em cartaz até o dia 14 de julho na Caixa Cultural Salvador e vira tema de um documentário dirigido por Renata Rocha, com fotografia de Maurício Calleia. Trata-se de um média-metragem que faz um relato da vida e obra do artista. A equipe registrou a abertura da exposição e realizou entrevistas inéditas com o artista. O filme é uma iniciativa do projeto independente chamado “Dossiê Esperança”, que promete resgatar o percurso artístico de 14 participantes nesta primeira edição. 

Conhecido nacionalmente como artista do mistério, e por saber traduzir os sentimentos da mulher, o artista mergulha nas lembranças e abre sua vida ao contar histórias do início da carreira e chega a voltar à infância para rever detalhes presentes na sua obra.

Idealizado pela documentarista baiana Renata Rocha, com apoio do diretor de fotografia Maurício Calleia da 3D Motion, o projeto tem sido uma maneira de reativar emoções, promover encontros e abrir diálogos sobre a contribuição de cada um para a Bahia. “Estamos fazendo algo que já deveria ter sido feito. Estamos ganhando aprendizado que nunca teríamos na academia, e o mais importante, estamos gerando um acervo artístico/humanístico para futuras gerações”. Reflete a diretora.  

Como se trata de uma produção sem patrocínios, com tecnologia de alto nível que envolve 3D, no caso de Adilson que mora no interior do Estado, todas as gravações foram realizadas em Salvador, mas como o projeto está em fase de produção, os produtores não descartaram a possibilidade de ir até Vitória da Conquista, onde o pintor mora atualmente.

Três pessoas gravaram depoimento sobre o personagem em tela, uma visão geral sobre o personagem e suas facetas. Irene Santino, curadora da exposição “ADILSON SANTOS, O Tempo e Eu – 47 anos de pintura” foi a primeira entrevistada, em seguida foi a vez de Heloisa Helena Costa que também fez a curadoria, por último a equipe gravou uma entrevista com o pintor Guel Silveira que abriu a casa e atelier para a produção gravar o processo criativo do pintor.

O empenho dos personagens em abrir o acervo pessoal tem contribuído significativamente para o desdobramento dos vídeos. Pois além da pesquisa, esta busca documental pretende contribuir para perpetuar a obra de cada um. Um projeto sem patrocínios que nesta edição embrionária busca reunir e registrar a trajetória artística de Adilson Santos, Lygia Sampaio, Sante Scaldaferri, Juarez Paraíso, Eckenberg, Justino Marinho, César Romero, Zú Campos, Ligya Milton, Nilson Mendes, José Antônio Saja, Dulce Cardoso, Leonel Mattos e Márcia Magno.

Comovido com a importância e filosofia do projeto, esta coluna abraçou a causa e vai abordar semanalmente a história de cada um destes artistas que contribuem para as artes na Bahia e que fazem parte do Dossiê Esperança, uma verdadeira mudança de atitude que vai perpetuar para inúmeras gerações.  É extremamente valioso este documentário, pois se tornará um longa com todas as histórias e obras dos selecionados. Por ser em forma de filme será de fácil locomoção e apresentação, já que as artes visuais são intramuros, se não houver divulgação não tem público a exceção de certas manifestações no campo das artes visuais que acontecem na rua. Está de parabéns está documentarista por este projeto que com certeza será sucesso.