Página Inicial  |  Perfil  |  Equipe  |  Contato  | 
Links

  

redacao.noticia@noticiacapital.com.br
71 9128-9520

 
  Home - Poesias - Um mercado à solta não quer dizer nada
 

Categorias

  Brasil
  Cultura
  Cursos & Concursos
  Dos Blogs & Sites
  Economia
  Educação
  Entrevistas e Reportagens
  Esporte
  Geral
  Internacional
  Mosaico
  Municípios
  Notas
  Opinião
  Politica
  Salvador
  Saúde & Medicina
  Turismo
 

Colunistas

 Agenor Calazans
 Aldo Trípodi
 Alessandra Nascimento
 Gerson Brasil
 Gil Vicente Tavares
 Guto Amoedo
 Kim Niederauer
 Marcelo Torres
 Valter Xéu
 Vitor Carvalho
 

Serviços

  Coelba
  Embasa
  Auxílio a Lista
  Prefeitura de Salvador
  Previdência Social
  Receita Federal
 
COLUNISTAS
 Guto Amoedo

 
 
Um mercado à solta não quer dizer nada
3 de Julho de 2013 14:15

Salvador é uma cidade praticamente sem indústria, atividade que está concentrada no município de Camaçari e em algumas cidades do interior do estado, como o polo de bebidas em Alagoinhas e os municípios que abrigam as fábricas de calçados. Portanto, Salvador só gera riqueza de três setores: imobiliário, turismo e serviço. Ocorre que o segmento econômico mais dinâmico da cidade é o imobiliário, com alguma contribuição do setor de infraestrutura, que abriga as obras do metrô, saneamento básico etc.

 

 

 

A atividade portuária, por exemplo, que poderia gerar riqueza, acontece em pouca escala, em razão das condições do porto de Salvador, que não consegue dar vazão à demanda: é só olhar para a baía de Todos os Santos e lá estão dezenas de navios esperando para atracar.

 

 

 

A indústria imobiliária baiana é o carro chefe do emprego e dá renda em Salvador. É quem constrói, não somente empreendimentos para residência, como também para as empresas abrigarem suas sedes e os empreendedores consolidar suas iniciativas. Sem um mercado imobiliário forte, capaz de produzir hotéis de alto padrão, a atividade turística fica prejudicada, porque deixa de fora do seu portfólio aquele turista de maior poder aquisitivo e consequentemente reverbera no serviço.

 

 

 

Sem uma indústria imobiliária aquecida, a taxa de desemprego em Salvador tende a acelerar, situação que ficará mais visível, no ano que vem, porquanto a produção do setor esse ano está lastreada no baixo número de lançamentos, afinal, praticamente, o mercado não ofertou empreendimentos nesse primeiro semestre.

 

 

 

Estamos com um número de operários bem reduzidos, e em 2014 a situação será bem mais grave. A inciativa da OAS com a estratégia de venda montada em cima da campanha “48 OAS” resultou acertadamente.

 

 

 

No entanto é um gesto isolado, quando o mercado imobiliário baiano carece de uma melhor estruturação e isso só é possível se é capitaneado por liderança ou lideranças fortes, bem como entidade representativa junto aos poderes públicos e articulada com outras instituições da sociedade civil.

 

 

 

É inútil vê no mercado imobiliário uma fonte que jorra capital em abundância, sem levar em consideração as peculiaridades do setor, seus problemas e a importância que ele tem para a economia da cidade e o impulso na abertura de novos bairros e na requalificação de outros.

 

 

 

No prefácio que escreveu para o livro Um Sonho Grande – como Jorge Paulo Leman, Marcel Telles e Beto Sucupira revolucionaram o capitalismo brasileiro e conquistaram o mundo, o reverenciado Jim Collins, da administração, diz que Walton, o homem que inventou o Walmart, forjou uma cultura e desenvolveu uma ótima organização, e que aquilo explicava melhor o sucesso da rede varejista do que a estratégia do negócio. Eu acrescentaria que um mercado à solta não quer dizer nada.