Página Inicial  |  Perfil  |  Equipe  |  Contato  | 
Links

  

redacao.noticia@noticiacapital.com.br
71 9128-9520

                             
 
  Home - Notícias - RENAN, SEMPRE RENAN
 

Categorias

  Brasil
  Cultura
  Cursos & Concursos
  Dos Blogs & Sites
  Economia
  Educação
  Entrevistas e Reportagens
  Esporte
  Geral
  Internacional
  Mosaico
  Municípios
  Notas
  Opinião
  Politica
  Salvador
  Saúde & Medicina
  Turismo
 

Colunistas

 Agenor Calazans
 Aldo Trípodi
 Alessandra Nascimento
 Gerson Brasil
 Gil Vicente Tavares
 Guto Amoedo
 Kim Niederauer
 Marcelo Torres
 Valter Xéu
 Vitor Carvalho
 

Serviços

  Coelba
  Embasa
  Auxílio a Lista
  Prefeitura de Salvador
  Previdência Social
  Receita Federal
 
NOTÍCIAS
 
RENAN, SEMPRE RENAN
06/12/2016 20:22:53

Renan Calheiros é presidente do Senado Federal ? O Brasil está na condição de ter um presidente do Senado, portanto do Congresso, terceiro na linha sucessória da presidência da República, denunciado pelo Ministério Público ao STF. Em 2007, quando se tornou público que um lobista de uma grande empreiteira, em Brasília, bancava a pensão e as despesas pessoais que o senador alagoano pagava à ex amante com quem teve um filho, ele apresentou notas frias da venda de gado, para provar que dispunha de recursos para arcar com aqueles gastos. É uma história sórdida como poucas na crônica das baixarias da política brasileira. Processado no Conselho de Ética do Senado, e com uma ação contra ele no STF, foi absolvido pela maioria dos seus pares, numa barganha que se consumou três meses depois, quando ele renunciou à presidência da Casa para não perder o mandato.

O Senado Federal está de joelhos, uma dúzia de senhores senadores renderam-se aos interesses subalternos do caciquismo político que transformou o Congresso Nacional no mais desprestigiado poder da República. Mais uma vez, os detentores da hegemonia política no plano federal demonstraram sua habilidade em usar a mão do gato para atingir seus objetivos. Para completar a destruição da credibilidade do Parlamento, consumou-se a indicação para o ministério de Temer, e logo afastado, de um B.O ambulante, o notório ex presidente da Câmara, Henrique Alves, a despeito de sua enorme folha corrida, também denunciado pelo Ministério Público ao STF, por gatunagem explícita. Entre outras inclui, notadamente, a acusação de manter R$ 25 milhões em contas secretas no exterior, o que lhe valeu ser despejado da posição de vice a que aspirava na chapa do tucano José Serra, no pleito presidencial de 2002.

Manda o acabrunhante retrospecto que nada se espere da corriola que controla o Congresso Nacional e faz o jogo do Planalto. Não foi o ex chefe da confraria, José Sarney, o primeiro a dizer que a “nova fase” começou com Ele? Pois bem, empossado em seu lugar, Renan, prometeu ser o guardião da nova “ética” no Senado.

Segundo o dito popular, quem sai aos seus não degenera. O governador de Alagoas, Renan Calheiros Filho, depois de ter sido como o avô e os tios, prefeito da empobrecida cidade de Murici, reduto do clã Calheiros, teve com quem aprender, e aprendeu depressa, que o nosso é apenas nosso, e que o dos outros é nosso também, a regra do patrimonialismo. Mal o pai se elegeu presidente do Senado, o filho ingressou no noticiário político pela via escusa por apropriação de bens públicos. No caso, as chamadas verbas indenizatórias com que o Congresso banca os gastos de suas excelências com itens vinculados ao exercício de seus mandatos, como passagens aéreas, aluguel de escritórios políticos, entre outros, o que já de si é uma exorbitância.

Enquanto ainda ecoavam os gritos de “ladrão”, “safado” que acompanharam Renan Pai na solene subida da rampa do Congresso Nacional, a imprensa revelava que o seu primogênito usou mais de R$550 mil daqueles recursos para pagar honorários de advogados de ambos, em causas privadas nas esferas cível, criminal e trabalhista.

Renan Pai está enrolado até o pescoço, enquanto Renan Filho se recusa a dar maiores explicações sobre a atuação do advogado da família no rumoroso caso. “Ele trabalha para outra pessoa” desconversa o jovem parlamentar, aludindo ao pai.
Com sua pouca idade, 35 anos, o governador alagoano segue a senda do ilustre pai senador em que se inspira na prática da embromação. No seu site, se lê que ele “já manifestava desde cedo sua vontade de melhorar a vida das pessoas”. Como prefeito de Murici, um dos municípios mais pobres de Alagoas, eleito duas vezes, preocupou-se “com o bem estar do povo e com o bom uso dos recursos públicos”. Parece o pai, ao reassumir a presidência do Senado Federal, dizendo em alto e bom tom que a “ética é meio, não é fim”. O resto, ou o fim, como diria o ex senador Otávio Mangabeira, é deplorável ver o Congresso Nacional se transformar em égide de oportunistas e espertalhões.


 
 

 

 


 

 

 
 



Lomadee, uma nova espécie na web. A maior plataforma de afiliados da América Latina.



 
 
create', 'UA-40109063-1', 'noticiacapital.com.br'); ga('send', 'pageview');