Área de antiga favela é transformada em residencial para 440 famílias em Cajazeiras

      

Um dos maiores exemplos de transformação de local e de vida pôde ser conferido nesta quarta-feira (26), com a entrega das chaves pela Prefeitura aos 440 moradores do Recanto do Luar, em Cajazeiras V, pelo programa Minha Casa, Minha Vida. A cerimônia contou com as presenças do prefeito ACM Neto e do vice, Bruno Reis, acompanhados do secretário Almir Melo (Infraestrutura e Obras Públicas), demais gestores municipais, representantes da Caixa Econômica e futuros moradores.

 

No discurso, o prefeito fez questão de relembrar em detalhes essa mudança. “O coração está cheio de emoção ao ver que, de fato, estamos transformando a vida das pessoas. Em 2013, a Prefeitura esteve aqui para mudar a vida de famílias que viviam em condições precárias nesta localidade, que era chamada de Portelinha. Ao transferirmos aquelas famílias para novas residências, foi dada ordem de serviço para garantir a ocupação deste local.”

 

“Aproveito a oportunidade para agradecer todo o apoio do governo federal nesse projeto. A Prefeitura também fez a parte dela, com o cadastramento do terreno, apresentação do projeto para implantação do residencial junto à Caixa e seleção das famílias. Para muitas pessoas, é a realização de um sonho, de ter a casa própria em um lugar seguro, sem problemas com a chuva. Esse momento de hoje é inesquecível!”, completou ACM Neto.

 

O gerente regional da Caixa, Vivaldo de Oliveira Neto, ressaltou que a iniciativa traz mais humanidade à vida das famílias. “Elas passam a morar em um local com condições dignas, com acesso a serviços como água e luz. É realmente uma transformação para melhor”, pontuou.

 

O residencial Recanto da Luar é uma obra do governo federal, orçada em R$ 29,5 milhões. À Prefeitura coube selecionar os beneficiados, por meio da Secretaria Municipal de Infraestrutura e Obras Públicas (Seinfra). Para definição dos beneficiários, foram adotados critérios técnicos e sociais: residentes de áreas de risco, idoso, gestante, deficiente físico e filhos pequenos na formação familiar, e inclusão no Cadastro Único – base de dados de famílias de baixa renda utilizada pelo governo para a execução de programas sociais.

 

Das 440 famílias que serão contempladas, 418 já assinaram contrato com a Caixa Econômica Federal (CEF). Uma das beneficiadas é Kátia Reis, de 50 anos. Moradora de área de risco em Cajazeiras, era só felicidade ao ganhar um novo lar.

 

“É uma mudança radical de tudo. Venho lutando há cinco anos para conseguir uma casa. De documentação em documentação exigida, finalmente fui contemplada. É um sonho mesmo e, agora, me sinto realizada. O curioso é que choveu em todos os momentos: seja no início da construção, sorteio, assinatura do contrato e a entrega das chaves. Realmente, foram chuvas de bênçãos”, salientou.

 

Passado – O residencial Recanto do Luar em nada lembra o local anteriormente, conhecido como Portelinha. “Aqui era degradante e perigoso, causava trauma em qualquer pessoa. Eu andava pela região porque todos me conheciam, mas era complicado. Realmente foi um grande favor feito, não só pela recuperação do espaço, mas também possibilitar casas para pessoas que mais precisam. É um ambiente bom e que vai gerar trabalho, inclusive para mim”, salientou o serralheiro Ivanildo de Jesus, de 51 anos.

 

A Portelinha era formada por casas de madeira, lona e barro à beira de um canal, em um local que sofria com as condições subumanas e constantes riscos de deslizamento de terra e alagamento. Em abril de 2013, a Prefeitura foi até a região e decidiu retirar as 232 famílias da condição insalubre. Em dezembro do mesmo ano, elas ganharam nova residência no Loteamento Fazenda Grande 15A, localizado entre Águas Claras e Cajazeiras V, também pelo programa Minha Casa, Minha Vida.

 

Estrutura – O residencial Recanto do Luar conta com 22 prédios com cinco pavimentos (térreo e mais quatro andares). Os apartamentos têm área de 59 m², onde estão distribuídos um hall de entrada, um hall de circulação, um banheiro, dois dormitórios e uma cozinha com área de serviço. O programa federal atende à população com renda familiar de até R$1.800.

 

Os beneficiados são selecionados por meio de chamada pública ou pessoas residentes em situação de risco geológico, além de famílias que possuam crianças com microcefalia, de acordo com a Portaria 321/2016 do Ministério das Cidades. Com este residencial, o programa Minha Casa Minha Vida soma 8.571 unidades habitacionais entregues pela Prefeitura desde 2013. Ainda este ano, outras 1.464 unidades ficarão prontas nos residenciais Ceasa III, IV e IV, em Ipitanga e Margaridas, no Jardim das Margaridas.​