Hilton Coelho diz repudiar militarismo na Guarda Civil Municipal

      



O vereador Hilton Coelho (PSOL) não participou da votação do Código Disciplinar da Guarda Municipal de Salvador porque não estava na pauta de votação e estava em atividade parlamentar fora do plenário, porém, manifestou seu repúdio ao projeto aprovado. “A sociedade precisa repudiar militarismo na Guarda Civil Municipal de Salvador. A proposta do prefeito ACM Neto (DEM) é uma ameaça a todas e todos que querem uma Guarda que sirva à população e não uma que a ameace. Manifesto aqui minha solidariedade ao vereador Toinho Carolino (Podemos) que foi vítima da violência da Guarda Municipal no domingo (06) quando interferiu no ataque que um trabalhador da limpeza urbana, da Revita, sofria. Não queremos que uma Guarda militarizada seja ainda mais autoritária”, disse.

 

O legislador acrescenta que discorda “do militarismo que está contaminando a estrutura administrativa da Guarda Civil Municipal de Salvador (GCMS). A Guarda Municipal é uma organização civil, com a finalidade de proteção de bens, serviços, logradouros públicos municipais e instalações do município. Somos contra a militarização que querem impor. Os órgãos de formação, treinamento e aperfeiçoamento dos integrantes da Guarda não podem ser os mesmos destinados às forças militares”.

 

Hilton Coelho finaliza afirmando que “a normatização aprovada aproxima a GCMS com estruturas militares. Contrariando a Lei Federal, aqui o treinamento da guarda deve ser realizado em parceria com a Polícia Militar, bem como o comando deve ser exercido por oficial militar. No geral o que podemos visualizar é uma tendência nacional que além de militarizar as guardas municipais tentam criar um programa hierárquico mais consolidado e militarizado. Repudiamos a militarização. Queremos um Plano de Carreira democrático e que fique claro que as pessoas que compõem a GCMS são servidores municipais e não militares”, finaliza Hilton Coelho.