Empresas baianas utilizam tecnologia para mercado Pet

      



As inovações do setor de alimentos e serviços no Brasil são muitas, principalmente no mundo digital. E o segmento na capital baiana não fica atrás. Sabe quando você trabalha o dia inteiro, chega em casa e percebe que esqueceu de comprar a ração do seu pet? Isso acontece com qual frequência: sempre? Para resolver esse inconveniente, três jovens empreendedores baianos trouxeram para Salvador e Lauro de Freitas OABELARDO.COM, o 1o Petshop Online de Salvador com Recompra Programada de Ração para Cães e Gatos.

“Você escolhe a ração do seu pet uma vez, seleciona o intervalo de tempo em que deseja receber aquele mesmo pacote novamente e se despreocupa. O Abelardo leva a ração do seu pet, periodicamente, à porta da sua casa e com frete grátis para Salvador e Lauro de Freitas”, afirma Diego Leonardo, líder de Marketing da startup baiana OABELARDO.COM. E essa comodidade não custa mais caro: “A Recompra Programada é um conforto extra que a tecnologia utilizada em nosso site nos permite oferecer, sem nenhum valor a mais para os clientes”, completa.

O raio x do mercado pet em Salvador e RMS, feito por meio de uma pesquisa realizada pela Agência de Publicidade Engenho Novo, com cerca de 390 mil pessoas, mostra que 38% da população possui cão ou gato. Na análise, foi constatado que o meio de comunicação que mais influencia na decisão de compra de produtos, rações, materiais e serviços pet é a internet, com 40% de escolha do público alvo, seguida pela televisão, que alcança 29% dos donos de bichinhos de estimação.
Os donos de pets são 52% do sexo feminino e 48% do sexo masculino, 36% pertencem às classes A e B e 64% às classes C,D e E. A faixa etária que predomina entre proprietários de cães e gatos é de 25 a 54 anos, o equivalente a 61% dos entrevistados. Desses, 55% são solteiros e 38% são casados, 47% têm filhos pequenos ou adolescentes e 72% moram em casas. Vale a pena ressaltar que divorciados, viúvos e idosos correspondem a 18% dos donos de pets em Salvador e RMS.

 

 

A amostra também revela que 53% pos

 

suem ensino médio completo ou superior incompleto e 55% são economicamente ativos, ou seja, trabalham, sendo 40% dessa população de apaixonados por bichinhos de estimação detentora de uma renda familiar varia de 2 a 7 salários mínimos. O total, 84% têm cães, 27% gatos e 11% possuem ambos os animais em suas casas ou apartamentos. Em meio á pesquisa um fato importante se destaca: as pessoas estão mais exigentes com os cuidados destinados aos seus pets, considerados verdadeiros filhos. A relação de humanização que se estabeleceu entre os animais domésticos e as pessoas faz com que os donos de pets não abram mão de qualidade no atendimento, nos produtos e serviços, mesmo que precisem pagar um pouco a mais por isso. O importante é terem garantidas a praticidade e a segurança em tudo que estão adquirindo.

Diante desses significativos dados, os jovens sócios decidiram apostar no e-commerce 100% baiano, com qualidade e facilidade solicitadas pelos exigentes consumidores. “Nosso grande diferencial no mercado local é o serviço premium de Recompra Programada. Ele veio para resolver uma necessidade que os donos de pet têm, e muitas vezes nem percebem”, revela Luis Henrique, sócio e líder Administrativo do O Abelardo. Funciona assim: você escolhe a ração do seu pet, informa em quanto tempo quer receber aquele mesmo pacote novamente (a cada 15, 20, 30, 45, 60, 90, 120, 150 ou 180 dias) e relaxa. O Abelardo leva este mesmo pacote até a sua casa, periodicamente, de acordo com o intervalo de tempo escolhido. O débito é feito automaticamente no cartão de crédito e você tem a liberdade de cancelar quando quiser, sem taxas nem burocracia.

E ainda tem o comprometimento social. Em cada Recompra Programada no Abelardo, o petshop online doa 1kg de ração para um abrigo de animais abandonados. E o cliente ainda ganha 10% de desconto para sempre. A expectativa dos sócios das startup é chegar em setembro de 2018 com 735 pedidos mensais, a um ticket médio de R$ 137. Segundo Diego, essa é uma meta ousada, mas possível. “Isso, contando apenas com as vendas dos produtos que temos hoje em estoque. Já estamos estudando oferecer outros itens no Abelardo para complementar a procura por rações de cães e gatos”, completa o jovem empreendedor.

A Pratigi Alimentos, indústria baiana de nutrição animal, aposta nessa estratégia on line para alavancar ainda mais as crescentes vendas da empresa em todo o Brasil e acaba de fechar parceria com a startup. “O Abelardo chega em um momento de ascendência do universo pet e dialoga com a tendência mundial do e-commerce. Temos certeza que esta plataforma será um sucesso e, através dela, poderemos fazer as rações PraCão, PraGato (linha standard) e Gipsy (linha pemium) chegarem aos nossos clientes com conforto e comodidade”, afirma Taciana Soares, Marketing da Pratigi Alimentos.


Setor nacional em expansão. Números surpreendem
O Brasil é 2º maior mercado pet do mundo; só fica atrás dos Estados Unidos. Ocupa o terceiro lugar em faturamento, no ranking mundial, com R$ 105,3 bilhões movimentados em 2016. E a expectativa é de que esse número seja superado até o final de 2017. A população brasileira é a quarta detentora do maior número de animais de estimação, com um total de 132,4 milhões dos 1,56 bilhão de pets que existem no planeta Terra. Esses são dados da Associação Brasileira da Indústria de Produtos para Animais de Estimação – ABINPET e do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE.
O setor nacional, que gira em torno dos amados bichinhos de estimação, não apenas mantém o equilíbrio durante a crise que assola o país e atinge todas as áreas de negócios, ele vai além e, cresce anualmente, em torno de 7,6%. Para se ter uma ideia, no Brasil, existem mais cachorros do que crianças, o que confere uma média de 1,8 cães por casa. São 37,1 milhões de cachorros, 26,5 milhões de peixes, 21,3 milhões de gatos, 19,1 milhões de pássaros e 2,7 milhões de hamsters convivendo nos lares brasileiros.
Os principais fatores que influenciam este crescimento são: a diminuição da taxa de natalidade; o envelhecimento da população; a ruptura do modelo de família tradicional; o fato de as pessoas estarem passando mais tempo no trabalho do que em casa e, com isso, preferirem ter um pet do que constituir uma família.
A participação dos produtos e serviços na categoria, ainda segundo o IBGE e a ABINPET, é bastante expressiva e está em contínuo aumento. Os pet foods lideram o ranking com 67% da procura. Os pet services estão em segundo alcançando 17% na preferência dos donos de animais de estimação. Os pet care e os pet veterinarian conquistaram 8% cada da fatia do mercado nacional.