Processo criativo é tema de palestras de terça a sexta-feira na Caixa Cultural Salvador

      



A partir desta terça-feira (12) até sexta-feira (15), especialistas de diversas áreas do conhecimento se reúnem na Caixa Cultural Salvador para debater sobre os diversos elementos e variáveis que influenciam e determinam o processo criativo. As palestras acontecem sempre das 14h30 às 18h e integram a programação gratuita da Semana Pensamento Criativo, que ainda oferece uma oficina de publicações independentes nos dias 16 e 17 (sábado e domingo). Para participar das palestras, basta retirar seus ingressos na bilheteria da Caixa Cultural Salvador mediante a doação de 1kg de alimento não perecível.
A primeira palestra, na terça-feira (12), será Arte e Cotidiano, com Barbara Wagner e Moacir dos Anjos. Na quarta (13), Edson Luiz de Sousa e Marilia Panitz abordam Ficção e Arte Contemporânea. Na quinta-feira, Antônio Obá e Suely Rolnik abordam O Processo Criativo. Na sexta, encerrando o ciclo de palestras, Cecilia Almeida Salles e Guilherme Bonfanti falam de Criação Coletiva. As vagas são limitadas à lotação da 80 lugares no auditório da CAIXA Cultural, que dispõe de lugares reservados à cadeirantes.

O evento também realiza no próximo fim de semana (16 e 17) Oficina de Auto-publicação, que já está com inscrições abertas no site www.semanapensamentocriativo.com.br até amanhã (10). Serão 20 selecionados para a oficina, e o resultado final será divulgado na terça-feira (12).

Além de aproximar o público a especialistas que trazem reflexões acerca do fazer artístico, o evento se propõe a pensar a arte como vetor de resistência e caminho para proposições sociais, políticas e do afeto. Desta edição, participam escritores, artistas, curadores, teóricos da arte, antropólogos, pensadores, psicanalistas e lingüistas.


O evento é aberto a todas as pessoas interessadas nesse tema e tem como público-alvo profissionais e estudantes que atuam nas cadeias produtivas das Artes Visuais, Filosofia, Antropologia, Design, Fotografia, Cinema, Jornalismo, Arquitetura, Música, Artes Cênicas, Literatura, Produção Cultural, Moda e Publicidade.

PROGRAMAÇÃO

DIA 12/9 (terça-feira)

Tema: ARTE E COTIDIANO
O curador Moacir dos Anjos e a artista Bárbara Wagner, ambos radicados no Recife, mantêm um diálogo a partir de trabalhos realizados em parceria ao longo dos últimos anos. Este eixo é dedicado a pensar como a singularidade do contexto político, histórico e cultural de cada criador fazem marca no corpo de sua produção e trajetória.

 DIA 13/9 (quarta-feira)

Tema: FICÇÃO E ARTE CONTEMPORÂNEA
A pesquisadora em arte e curadora Marília Panitz e o psicanalista Edson Luiz de Sousa pensam a legitimidade da criação ficcional do ponto de vista do desenvolvimento da nossa personalidade e no processo de criação na arte contemporânea. Para Edson Luiz de Sousa, todo ato de criação é um ato utópico, que pode desenhar um horizonte de sonhos que desperte em nós o desejo de construir novas formas para o pensamento e para a vida.

DIA 14/9 (quinta-feira)

Tema: O PROCESSO CRIATIVO
 O artista visual  Antonio Obá conversa sobre o processo de criação de suas obras, que abordam aspectos relativos ao preconceito étnico, à religiosidade, erotismo, memórias familiares, bem como tais fatores sociais constroem e desconstroem o corpo dos indivíduos. A crítica de arte, psicanalista e curadora Suely Rolnik desenvolve uma crítica sobre o próprio conceito de processo criativo. Como reapropriar-se da pulsão de criação contra seu abuso pelo regime colonial-capitalístico que a transforma em "criatividade"?

DIA 15/9 (sexta-feira)

Tema:  CRIAÇÃO COLETIVA

A lingüista e semióloga Cecília Almeida Salles e o designer de luz e diretor do Teatro da Vertigem, Guilherme Bonfanti,  discutem, a partir de suas pesquisas e experiências, as especificidades do processo criativo compartilhado, pensando a beleza da precariedade de formas inacabadas e da complexidade de sua metamorfose.

 

DIAS 16 E 17/9 (sábado e domingo) 
OFICINA DE AUTO-PUBLICAÇÃO
O quadrinista e artista plástico Lucas Gehre e o designer Neno desenvolvem em uma atividade coletiva um projeto de publicação para ser impresso, montado e distribuído entre os participantes ao final da oficina. Com a discussão compreende-se particularidades de se autopublicar e exercita-se a etapa de produção e reflexão sobre acabamento, viabilidade técnica, noções básicas  de design e  distribuição do material.

 

PALESTRANTES

 

Antonio Obá nasceu em Ceilândia, cidade–satélite de Brasília. Graduado em Artes Visuais - licenciatura, pela Faculdade de Artes Dulcina de Moraes.  Artista visual, participa de exposições coletivas e individuais desde 2001, tendo obras em coleções particulares e expostas em salões locais e internacionais. Artista-membro do Centro Cultural Elefante, que promove a experimentação poético-artística, bem como o fomento de projetos relacionados à prática e reflexão da arte por meio de residências, oficinas, exposições e cursos. Foi premiado no Transborda Brasília - Prêmio de Arte Contemporânea e é finalista da 8ª edição do Prêmio PIPA – 2017. O artista aborda em suas obras aspectos relativos ao preconceito étnico, à religiosidade, erotismo, memórias familiares, bem como tais fatores sociais constroem e desconstroem o corpo dos indivíduos. Com desenhos, pinturas, objetos, instalações, performances, gravuras, o artista traz, ora figurativa, ora sublimada, a evidência do corpo: um rastro, um artefato, um gesto que insiste na resistência de ser, de se perceber estrutura demarcada por rituais, histórias, interdições, tradições.

 

Bárbara Wagner nasceu em Brasília, em 1980. Vive e trabalha no Recife. Sua prática em fotografia está centrada no “corpo popular” e suas estratégias de subversão e visibilidade entre os campos da cultura pop e da tradição. Publicadas em livros editados pela artista desde 2007, suas obras têm sido exibidas em exposições individuais e coletivas nacional e internacionalmente e fazem parte das coleções permanentes do MASP e MAM, em São Paulo. Desde 2011, trabalha em colaboração com o artista Benjamin de Burca (Munique, 1975), com quem participou do 33º Panorama de Arte Brasileira (São Paulo, Brasil), da 4a. Bienal do Oceano Índico (La Réunion, França), da 36ª EVA International (Limerick, Irlanda), da 5ª edição do Prêmio Marcantonio Vilaça e da 32ª Bienal de São Paulo (São Paulo, Brasil). Mestre em Artes Visuais pelo Dutch Art Institute (2011).

Cecilia Almeida Salles é pesquisadora em linguística e aprofunda suas experiências em processos de criação artísticos coletivos. Tem graduação em Língua e Literatura Inglesas pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (1976), mestrado em Linguística Aplicada e Estudos de Línguas pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (1981) e doutorado em Linguística Aplicada e Estudos de Línguas pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (1990). Atualmente faz pós-doutorado no Departamento de Cinema, Rádio e Televisão da Escola de Comunicação e Artes da Universidade de São Paulo. É professora titular do Programa de Pós-Graduação em Comunicação e Semiótica da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo e é coordenadora do Grupo de Pesquisa em Processos de Criação. 

Edson Luiz de Sousa é psicanalista, desenvolve nas últimas décadas trabalhos em torno da articulação da psicanálise e arte, aprofundando-se também no pensamento sobre as utopias. Possui graduação em Psicologia pela PUC-RSl (1984), especialização em filosofia pela UFRGS, mestrado em Psicanálise e Psicopatologia - Université de Paris VII - Denis Diderot (1989) e doutorado em Psicanálise e Psicopatologia - Université de Paris VII - Université Denis Diderot (1993). É professor da Pós Graduação em Psicologia Social e Institucional na UFRGS, onde coordena, junto com Maria Cristina Poli, o LAPPAP - Laboratório de Pesquisa em Psicanálise, Arte e Politica/UFRGS.Tem  Pós Graduação em Psicanálise - Clínica e Cultura (UFRGS),  pós-doutorado em Paris 2009-2010 na Université de Paris VII (Université Denis Diderot) e na École des Hautes Études en Sciences Sociales (EHESS).

  

Guilherme Bonfanti nasceu em Leme, SP. Light Designer, ele é, junto com Antônio Araújo, um dos fundadores do Teatro da Vertigem e um dos fundadores do curso de Iluminação da São Paulo Escola de Teatro. Atua, desde 1987, em diversos projetos de artes visuais, arquitetura, mostras e exposições, moda, eventos profissionais e corporativos. Iniciou a carreira como técnico de luz no Espaço Off, casa noturna de Celso Curi, em São Paulo, centro difusor da arte experimental do período, atuando em dezenas de realizações. Em 1992, funda o Teatro da Vertigem com Paraíso Perdido, parceria já soma mais de 23 anos. Fez projetos para a 23ª, 24ª, 25ª e 26ª Bienais Internacionais de São Paulo e Mostra dos 500 anos, projetando e coordenando todo o projeto luminotécnico das exposições.

Lucas Gehre é nascido e residente em Brasília.  Trabalha principalmente com desenho, quadrinhos e design. É artista plástico, quadrinista, diretor de arte, roteirista e editor de publicações. É um dos editores da SAMBA, antologia de quadrinhos independente, lançou com o selo homônimo Amarelo, laranja e vermelho, compilando suas HQs e desenhos. O grupo editou mais de 10 outros títulos com o selo, além da revista SAMBA #1 a 3. Participa dos principais eventos de quadrinhos e zines desde 2009, entre os quais: FIQ, Feira Plana, Pãodeforma, Feira Tijuana. Em 2015, integrou o grupo organizador da primeira DENTE, feira de publicação independente realizada em Brasília, colocando a cidade no circuito de eventos nacionais. É membro do ateliê coletivo NOVA em Brasília. 

Marília Panitz nasceu em São Leopoldo, RS. Vive e trabalha em Brasília. Mestre em Arte Contemporânea: teoria e história da arte, pela Universidade de Brasília, trabalha como professora desde 1980. Ensinou na UnB  entre 1999 e 2011. De 1990 a 1996, dirigiu o Museu Vivo da Memória Candanga. Em 1997, atuou como assessora dos projetos de artes visuais da Secretaria de Cultura do Distrito Federal, entre eles o Panorama das Artes Visuais no Distrito Federal. Em 1998, dirigiu o Museu de Arte de Brasília, onde coordenou o Prêmio Brasília de Artes Visuais 98 e o Programa de Bolsas de Pesquisa MAB/MinC para jovens artistas. A partir de 1999, passou a publicar artigos sobre artistas de Brasília em jornais e catálogos. Em 2001, passou e desenvolver propostas de curadoria.

Moacir dos Anjos é pesquisador e curador de arte contemporânea da Fundação Joaquim Nabuco, no Recife, onde coordena, desde 2009, o projeto de exposições Política da Arte. Foi diretor do Museu de Arte Moderna Aloísio Magalhães - MAMAM (2001-2006) e pesquisador visitante no centro de pesquisa TrAIN – Transnational Art, Identity and Nation, University of the Arts London (2008-2009). Foi curador do pavilhão brasileiro (Artur Barrio) na 54ª Bienal de Veneza (2011), curador da 29ª Bienal de São Paulo (2010), co-curador da 6ª Bienal do Mercosul, Porto Alegre (2007), e curador do 30º Panorama da Arte Brasileira, Museu de Arte Moderna (2007), em São Paulo. Foi curador da mostra coletiva Cães sem Plumas (2014), no MAMAM e de exposições retrospectivas dos trabalhos de Cao Guimarães (2013), no Itaú Cultural, e de Jac Leirner (2011). 

Neno é graduado em Desenho Industrial pela Universidade de Brasília (2011). Tem experiência na área de programação visual. Atua no mercado desde 2005. Foi sócio do estúdio Mopa (2009-2011). Integrante da equipe do projeto Interações (não) distantes, iniciado em março de 2012, tem por objetivo promover um intercâmbio cultural entre artistas de diferentes regiões brasileiras e estudantes do Curso de Licenciatura em Artes Visuais nos polos presenciais da UnB/UAB. É membro do ateliê coletivo NOVA em Brasília.

Suely Rolnik é psicanalista, crítica de arte, curadora e professora. Docente convidada do Programa de Estudos do Museu de Arte Contemporáneo de Barcelona, Universidad de Madrid, Museo Reina Sofía e Institut National de l"Histoire de l"Art na França. Viveu exilada em Paris de 1970 a 1979, onde graduou-se em Filosofia e Ciências Sociais na Université de Paris VIII, e fez mestrado em Ciências Humanas Clínicas em Paris VII. Doutora em Psicologia Social pela PUC-SP. Sua investigação enfoca as políticas de subjetivação abordadas de um ponto de vista transdisciplinar e indissociável de uma pragmática clínico-política. É membro fundador da Rede Conceitualismos do Sul, composta de 50 investigadores latino-americanos. É autora, entre outros, de Cartografia Sentimental; Transformações contemporâneas do desejo e, em colaboração com Félix Guattari, de Micropolítica: Cartografias do desejo, obra já publicada em sete países.

 

Ficha Técnica

Realização Mira Produção e Arte

Produção executiva Bruna Neiva e Virginia Manfrinato

Assistência de produção Gisele Lima

Design Gabriel Menezes

Assessoria de imprensa Viva Comunicação Interativa

Produção local: Giro Produções

Site e mídias sociais: Full Target

 

Serviço:

Semana Pensamento Criativo

Palestras

De 12 a 15 de setembro, das 14h30 às 18h00

Vagas limitadas, sujeitas à lotação da sala

Oficina

16 e 17 de setembro, das 14h às 19h

20 vagas

Local: CAIXA Cultural Salvador

Endereço: Rua Carlos Gomes, 57, Centro – Salvador (BA)

Telefone: (71) 3421-4200

Classificação indicativa: 14 anos

Conveniência: estacionamento gratuito ao lado no fim de semana

Informações e entrevistas:

Tatiane Freitas – Viva Comunicação Interativa (71) 9.9211-5722 – tatiane@interativaviva.com.br

Facebook /semanapensamentocriativo

Instagram: @asemanapensamentocriativo

 

EDIÇÕES ANTERIORES

2014 - 2015

A primeira edição da Semana Pensamento Criativo aconteceu nas cidades de Brasília (julho de 2014), Salvador (agosto de 2014) e Fortaleza (fevereiro de 2015). A semana contou com os palestrantes  Agnaldo Farias, Andre Parente, Charles Watson, Nelson Felix, Daniel Senise, Claudia Leitão, Isabella Prata, Marcius Galan, Patrizia Bittencourt, Ralph Gehre, Raquel Gondim e oficina Laboratório Criativo com Priscilla Borges e O Silva.