Autor de massacre no Texas recebeu dois tiros de um morador e se matou

      



O autor do tiroteio em massa numa igreja batista de Sutherland Springs, no Texas, nos Estados Unidos, no último domingo, onde morreram 26 pessoas e 20 ficaram feridas, recebeu dois disparos de um morador quando fugia e depois se matou com um tiro na cabeça. Devin Kelley foi baleado na perna e no tronco por um morador transformado em herói que o enfrentou depois de escutar os tiros, segundo explicou, ontem (6), em entrevista coletiva, Freeman Martin, do Departamento de Segurança Pública (DPS, sigla em inglês) do Texas.

Embora, em primeira instância, as autoridades duvidaram se o assassino se suicidou ou morreu por causa dos disparos do morador, identificado como Stephen Willeford, a autópsia revelou que o tiro na cabeça foi dado por ele mesmo.

Saiba Mais
Atirador de igreja no Texas foi integrante da Força Aérea dos Estados Unidos
O assassino, que tinha uma história de abusos domésticos e de animais, se suicidou após escapar da região do tiroteio e ser perseguido pela estrada durante vários minutos por Willeford e outro morador, Johnnie Langendorff, que estava perto da igreja.

Freeman também revelou que os investigadores recolheram da cena do crime centenas de balas e 15 cartuchos com 30 projéteis cada uma, o que corrobora a violência como pior tiroteio na história do Texas.

Kelley realizou o massacre vestido com um colete à prova de balas e armado com um poderoso rifle Ruger AR semiautomático no templo Primeira Igreja Batista de Sutherland Springs, uma cidade localizada a 45 quilômetros de San Antonio, no Texas.

De acordo com as investigações da polícia, o assassino matou duas pessoas fora da paróquia e 23 dentro da igreja, e uma criança morreu por conta dos ferimentos num hospital local pouco depois do ataque.

As idades dos mortos variam entre 18 meses e 77 anos de idade, um indicativo de que o assassino tentou fazer maior número de vítimas possível. Das 20 pessoas feridas, 10 permanecem em estado crítico e quatro estão em estado grave. As informações são da agência de notícias EFE.