Rodoviários impedem saída de micro-ônibus das garagens nesse domingo

      



Correio24horas
Sem ônibus. Esse é o cenário que a população de Salvador que usa o coletivo está encontrando nesse domingo (20) para se locomover na cidade. É que, além da paralisação de 24h dos rodoviários, representantes do sindicato da categoria foram para as garagens e conseguiram impedir a saída dos micro-ônibus que estavam previstos para circular hoje. Segundo estimativas da Secretaria Municipal de Mobilidade, só 50% dos 300 micro-ônibus estão operando, mas o Sindicato dos Rodoviários diz que apenas 20% da frota está nas ruas.

A equipe de reportagem do CORREIO esteve nas duas garagens, na Avenida Gal Costa e na Avenida Barros Reis e encontrou rodoviários na porta dos dois locais e a garagem cheia de micro-ônibus. Ao todo 350 milpessoas usam os ônibus como meio de transporte aos domingos, segundo dados da Secretaria Municipal de Mobilidade.


A recepcionista Raquel Conceição foi uma das prejudicadas com a paralisação dos ônibus. "Tava na esperança de aparecer os metropolitanos, que geralmente rodam nessas greves", desabafou. Raquel trabalha na Federação e mora na Itinga. Chegou a simular o valor do Uber para voltar para casa, mas viu que teria que desembolsar R$ 44. Para ela, a melhor alternativa é ficar pelo bairro onde trabalha mesmo. "Tô tentando falar com umas amigas que moram aqui para eu poder dormir na casa delas", disse.

Para a vendedora Cleide Borges, a notícia antecipada que iria ocorrer a paralisação de 24 horas deixou muitas empresas precavidas. "Tô aqui no ponto esperando o carro da empresa vim me buscar. Trabalho em Patamares e se não fosse essa alternativa seria quase impossível chegar", comentou.

Os 300 micro-ônibus estão divididos em duas cooperativas: a Coop 1 e a Coop 2. "Da Coop 1 saíram todos, mas da Coop 2 não saiu nenhum. A população está contando ainda com alguns ônibus metropolitanos que conseguiram sair das garagens e com as vans", informou o secretário de Mobilidade, Fábio Mota. Ele lamentou ainda pelos 350 mil pessoas que todos os domingos usam os ônibus e hoje estão sem poder contar com eles como meio de locomoção. "Quem mais sofre com essa paralisação é a população", disse.

Diretor adjunto do departamento jurídico do Sindicato dos Rodoviários, Pedro Celestino diz que a categoria não impediu a saída dos micro- ônibus. "O que fizemos foi ir para a garagem conscientizá-los. A gente conversa, sensibiliza, mas não impede ninguém de sair. Acredito que só tem 60 micro-ônibus rodando hoje", avalia.