SELEÇÃO APROVADA NO TESTE FINAL

      



Por Zedejesusbarreto
Uma equipe que passa confiança essa de Tite. No derradeiro apronto, amistoso contra a Áustria em Viena, mesmo sem acelerar e evitando as jogadas mais duras, a Seleção venceu bem (3 x 0), sobrou em campo, mostrou um bom padrão de jogo e dá esperanças de uma boa campanha na Rússia. Quem sabe o hexa?

*

Com a bola rolando

A equipe de Tite enfrentou muitas dificuldades no começo para conseguir articular as jogadas, com o time austríaco marcando forte e ocupando os espaços desde o campo brasileiro. Quando está atacado, os 10 na defesa. A Suíça, primeiro adversário brasileiro na Copa, joga assim. Mas, aos poucos ...

Já aos 7 minutos, Willam rolou da direita para o meio e Cassemiro despejou um petardo de longe que bateu na rede, por fora. Aos 17’, primeiro chute de Neymar em gol, de fora da área, nas mãos do goleiro. A Áustria assustou aos 21’, numa finalização da frente da pequena área que cobriu o travessão; marcação falha do nosso miolo de defesa. Aos 24’, jogada pessoal de Coutinho e um chute rasteiro, no cantinho, que o goleiro espalmou no rodapé. Aos 34’, Neymar cobrou escanteio e Thiago testou forte, fora. Um minuto depois, Paulinho pegou uma bola espirrada, na esquerda e bateu cruzado; no desvio da zaga, raspou o poste.

- Gol ! 1 x 0 Brasil, Gabriel Jesus. Marcelo bateu firme da intermediária, a pelota desviou no caminho e sobrou para o avante, pela esquerda, já na área, em posição de impedimento (?); a arbitragem não deu, ele ajeitou o corpo e bateu de chapa colocado no canto oposto. Aos 36 minutos.

Aos 39’, Phillipe Coutinho recebeu de Gabriel Jesus na meia lua e fuzilou nas mãos do goleiro.

Mesmo em ritmo de treino, cuidadoso nas divididas, a seleção se impôs, aos poucos dominou as ações no meio campo e atacou, sem sofrer muito defensivamente; bem postada, trocando passes, tendo mais a bola nos pés. O goleiro Álisson apreciou, apenas. E foi só, na primeira etapa.

*

Nenhuma mudança feita nos vestiários, no intervalo. O jogo austríaco ficou mais duro, viril e pegado na segunda etapa, causando muita reclamação dos brasileiros. A partir dos 15, começaram as mudanças, lado a lado. Treino é treino. Tite trocou Thiago e Cassemiro por Marquinhos e Fernandinho.

Só aos 16’ a seleção arriscou na meta adversária, em jogada individual e chute de Coutinho nas mãos do goleiro.

- Gol ! 2 x 0 , Neymar, golaço ! Aos 18 min, recebeu de William na área, deixou o marcador sentado e tocou entre as pernas do goleiro. Só ele.

Um minuto depois, em rápido contragolpe, William deixou Paulinho de cara, mas o goleirão salvou. Saíram Marcelo e Gabriel para a entrada de Filipe Luiz e Firmino, aos 22min.

- Gol ! 3x 0, Phillipe Coutinho tabelou com Firmino e entrou livre, em velocidade, de cara. Bateu de chapa no canto oposto. Aos 24minutos.

Aos 28, o mesmo Phillipe Coutinho, bem mais solto na partida, tentou da entrada da área e acertou o travessão, no encaixe onde as corujas dormem. Tite, na sequência pôs Taison no lugar de Coutinho. Por volta dos 35’ a Áustria tentou de longe, Álisson trabalhou bem.

Aos 36’, após ótima troca de passes pelo meio, Firmino ficou de cara, livre, mas chutou nas pernas do goleiro, perdeu o quarto. Aos 37’, saiu Neymar, aplaudidíssimo, entrou Douglas Costa.

Rendia mais.

*

Atuações:

Álisson – Pouco exigido.

Danilo – Muita força, marca bem mas é limitado ofensivamente.

Thiago - Sem grande problemas, deu conta do recado.

Marquinhos entrou em seu lugar, mantendo a qualidade.

Miranda – Pura tranquilidade.

Marcelo – Técnica, poupando-se. Filipe Luiz o substituiu, sem problemas.

Cassemiro – Em plena forma, voando em campo. Fernandinho, bom reserva.

Paulinho – Um jogador diferenciado na seleção, em todos os lugares do campo, incansável.

Phillipe Coutinho – Fez um bom jogo no meio campo, chutou muito, fez um belo gol e meteu uma bola no travessão. Em crescimento.

Taison, querendo mostrar que é útil.

William – Mais uma partida em alto nível, buliçoso, criativo, participativo.

Gabriel Jesus – A marca de goleador; pega pouco na bola mas incomoda e define.

Firmino entrou, perdeu um gol incrível, cara a cara, livre.

Neymar – Algumas jogadas de efeito, mas ainda bem longe do que pode e sabe. Sem ritmo, sem tempo de bola, óbvio. Mas fez um golaço, bem a seu estilo, deixando o beque no chão com um drible curto e tocando por baixo do goleiro.

Foi substituído por Douglas Costa, correndo muito, mostrando-se recuperado da lesão muscular; será muito útil na Copa.

Tite, o treinador – Reclamou muito da arbitragem, visivelmente preocupado com os choques, em não perder nenhum atleta às vésperas da grande competição. Sabe o que quer e sabe exigir dos seus comandados.

 

*

Ensinamento básico

Sem a posse da bola não se joga, apenas se desgasta correndo atrás e vendo o adversário jogar, impor o ritmo. Daí, é preciso marcar, retomar a bola do adversário, sem descanso.

“Perdeu a bola, agride. Repito sempre aos atletas. Vocês não gostam de jogar? Para isso precisamos defender. Todos têm de participar das ações de retomar a bola para tê-la nos pés”

(Tite, treinador da Seleção Brasileira)

**

- Brasil em campo agora só na Copa da Rússia, dia 17, domingo próximo, contra a Suíça, uma equipe muito forte defensivamente.

- Amanhã a delegação brasileira já estará em solo russo, período de ambientação.

*