BRASIL VENCE MÉXICO E SONHA COM O HEXA

      



Por Zedejesusbarreto
Viva os caboclos desse imenso Brasil !

Nada brilhante, mas eficiente, equilibrado. Se o México assustou no começo da primeira etapa, o Brasil foi muito superior nos 50 minutos finais e definiu a partida com talento. Não foi fácil. Calor forte em Samara, 42 mil pessoas no estádio, o amarelo predominando nas arquibancadas.

Estamos nas quartas de final e com apetite. Somos candidatos sim ao título de campeão e podemos sonhar com o hexa. Temos equipe para isso. É manter a cabeça no lugar e jogar o que sabemos e podemos.

 

*

Bola rolando

Até os 20 minutos só deu México. Marcou forte no meio campo, pressionou na frente, explorou as laterais em velocidade com Vela de um lado e Losano do outro, abertos, buliçosos, os mexicanos rondando a área brasileira. O treinador Osório armou bem a equipe, tentando surpreender os brasileiros no começo.

Logo aos dois minutos Álisson saiu mal numa bola cruzada, socando errado, e assustou. O Brasil só chegou uma vez, aos 5 min, em jogada individual de Neymar; driblou, chutou enviesado mas Ochoa rebateu.

Os brasileiros começaram a jogar a partir dos 25 minutos, equilibrando mais o jogo. Neymar costurou pela esquerda e disparou, Ochoa rebateu, blitze brasileira e Phillipe Coutinho bateu de fora da área, isolando a bola, por cima. Aos 32’, Gabriel Jesus tentou, mas Ochoa voltou a intervir bem, rebatendo o chute. E foi só. Muito pouco. Jogo duro, mas leal. Foi complicado.

 

*

O Brasil voltou dos vestiários disposto a decidir, com postura mais ofensiva. Logo aos dois minutos, Ochoa salvou, num chute de Phillipe Coutinho.

- Gol ! 1 x 0, Neymar, aos 4 min: numa trama pelo meio, Neymar leva a zaga e toca de calcanhar para William, entrando livre pela esquerda; cruzamento rasteiro e Neymar escorou na pequena área.

O jogo mudou, ficou aberto. Lá e cá. Melhor de ver. Aos 13, numa ótima troca de passes, Paulinho bateu de frente para outra rebatida salvadora de Ochoa. Aos 15, num contragolpe, os mexicanos chegaram, chute pelo alto que Álisson espalmou bem. Aos 18’, William, voando, desbravou pela direita e disparou para outra defesaça de Ochoa, espalmando a bomba.

Aos 22’, novamente William, desbravando pela esquerda, Neymar finalizou mas a bola desviou na zaga, a escanteio. Com o tempo passando e o Brasil na frente, os mexicanos começaram a bater, tentando intimidar, no desespero. E tome-lhe pau em Neymar !

Aos 35, Tite retirou Paulinho e pôs Fernandinho, descansado, reforçando a marcação no meio campo. Aos 40’, saiu Phillipe Coutinho e entrou Firmino.

- Gol ! 2 x 0 Brasil, Firmino, aos 43’. Fernandinho roubou a bola na meiúca e lançou Neymar pela esquerda; arrancada , fantástica e o passe perfeito na pequena área, para a penetração de Firmino, fácil, fechando o caixão.

*

Destaques

Álisson sem problemas; Fagner sofreu muito com o arisco Vela; Tiago faz uma Copa impecável; Miranda, sóbrio; Filipe Luiz cumpriu seu papel de lateral; Cassemiro bem, levou o segundo amarelo e não joga a próxima; Paulinho operário; Phillipe Coutinho bem, mas sem brilho; William arrebentou no segundo tempo; Gabriel lutou muito, guerreiro, mas pouco finalizou; Firmino deixou sua marca; Neymar foi decisivo, fez um gol e deu outro a Firmino.

Tite foi surpreendido por Osório (treinador mexicano) no começo do jogo mas deu o troco na segunda etapa.

 

**

Outros jogos

Ainda nessa segunda, tem Japão x Bélgica, em Rostov. Quem vencer enfrenta o Brasil nas quartas de final.

Nesta terça, fechando as oitavas, mais dois confrontos:

Em São Petersburgo, às 11 h, Suécia x Suíça; às 15h, em Moscou, Colômbia x Inglaterra.

*

O cagaço dos pênaltis

Vinte e sete pênaltis marcados nessa Copa dentro do tempo regulamentar de jogo. Sete perdidos. E alguns por craques mais que consagrados: Cristiano Ronaldo, Messi, Modric ...

O peso do emocional que deixa as pernas bambas, os olhos anuviados, a mente confusa. O goleiro cresce e as traves estreitam-se. Quem já bateu uma bolinha sabe o que isso significa. Alguns craques como Rivelino, Gérson... odiavam ter que bater pênaltis. Preferiam as faltas da entrada da área. Para eles, mais fáceis.

Ou seja, é preciso ser muito ‘macho’ e autoconfiante para por a pelota debaixo de braço e dizer ‘é minha!’, assumir a responsabilidade de cobrar um pênalti, sobretudo em decisões. Coisas do futebol.

 

**