Neto classifica como ‘piada’ declarações de petista

      



Tribuna
Presidente nacional do Democratas, o prefeito de Salvador, ACM Neto, disse ontem que o candidato do partido ao governo do estado, José Ronaldo, crescerá nas intenções de votos com o início da campanha eleitoral. Para o gestor, com o fim da Copa do Mundo, as atenções se voltarão para as eleições. “Acabou a Copa do Mundo, a pauta passa a ser as eleições de 2018, seja no plano estadual e nacional, logo em breve teremos as convenções com as confirmações das candidaturas e o começo da campanha política, e na medida em que o debate possa ser feito de maneira aberta, franca e equilibrada, o que não pôde acontecer até hoje, eu tenho certeza que nosso candidato vai crescer e nós vamos equilibrar as eleições”, disse, durante a inauguração da Casa do Estudante Quilombola.

Nesse sentido, ele avalia que o fato de o governador Rui Costa (PT) não poder mais participar de inaugurações, diminuindo a publicidade, ajudará a tornar a pré-campanha mais equânime. "É claro que à medida que ele não puder anunciar e deixar de haver esse verdadeiro derrame de dinheiro público em propaganda, as coisas podem sim se equilibrar, não tenho dúvida", acrescentou.

Neto também rebateu a declaração de Rui, que criticou área de educação em Feira de Santana, da qual José Ronaldo foi prefeito por quatro mandatos. Segundo o petista, “em Feira de Santana, como em Salvador, o governo do Estado tem mais alunos matriculados no fundamental do que no município”. “Confesso que não entendi essa declaração do governador. Se não fosse trágico, seria cômico porque é uma piada um governador estar dizendo uma coisa essa. Educação é um exemplo disso. O governo do estado em 12 anos não construiu uma sala de aula em Salvador. A gente sabe a qualidade péssima da educação estadual e não conseguiu avançar em 12 anos no PT”, disparou Neto, acrescentando que a Constituição prevê que estado e município compartilhem a gestão da educação: “Isso de fato não está acontecendo, essa responsabilidade compartilhada. Porque o município, mesmo arrecadando menos que o Estado em Salvador, investe mais recursos no Ensino Fundamental, quando deveria ser o contrário, se tivéssemos um governador de fato preocupado com a educação tanto quando está em fazer politicagem".