MP abre inquérito para investigar danos ambientais após cratera em Vera Cruz

      



O Ministério Público instaurou na sexta-feira (14), inquérito civil (nº3.9.104439/2018) para apurar possíveis danos ambientais decorrentes do surgimento de uma cratera na localidade da VIla de Marandiba, Município de Vera Cruz, na Bahia.

Com mais de 40 metros de profundidade, aberta em meio ao resquício de mata atlântica no povoado de Matarandiba, o buraco surgiu no dia 1° de junho em um área de exploração da empresa Dow Química, responsável pela extração de salmoura no povoado. Agora, o MP quer investigar a culpabilidade da Dow Química na erosão, além das causas e efeitos da cratera no meio ambiente da localidade.

Na época do surgimento da cratera, no início de junho desse ano, a empresa informou ao BNews que se tratava de um fenômeno geológico, conhecido como sinkhole, ou vazio subterrâneo, em português. Em nota, a Dow garantiu que estava realizando apurações junto a especialistas.

Na primeira medição realizada pela própria empresa, no mesmo dia em que um de seus técnicos encontrou a cratera na área aberta em meio a mata, o buraco tinha 69 metros de comprimento por 29 metros de largura com a profundidade de 46 metros. Hoje em dia a empresa possui seis poços perfurados que servem para extrair a salmora. Existem ainda 40 poços já desativados pela empresa; um, inclusive, fica a cerca de 200 metros de onde surgiu a cratera.

O Bnews voltou a entrar em contato com a Dow Química após a abertura do inquérito que por meio de nota informou que até o momento não recebeu notificação oficial expedida pelo Ministério Público, referente ao assunto. "A empresa segue avançando no processo de monitoramento e investigação do fenômeno geológico, e as autoridades e órgãos competentes têm sido periodicamente informados sobre as providências tomadas pela empresa". Ainda de acordo com a Dow, "o bem-estar dos empregados, da comunidade e do meio ambiente sempre foi e continua sendo prioridade para a companhia, que possui processos e altos padrões de segurança do trabalho em todas as suas unidades".
*Do Bnews