Trump acusa China de tentar interferir em eleição legislativa nos EUA

      



O presidente dos EUA, Donald Trump, acusou nesta quarta-feira (26) a China de tentar interferir nas eleições legislativas de 6 de novembro nos EUA, dizendo que Pequim não quer que seu Partido Republicano vença por causa de sua posição sobre comércio.

"A China está tentando interferir em nossas próximas eleições de 2018, em novembro. Contra minha administração", afirmou Trump durante uma reunião do Conselho de Segurança convocada por ele para tratar de armas de destruição em massa e do Irã.

Trump disse ter "muitas evidências" para sua alegação mas não apresentou nenhuma. A China, que é membro permanente do Conselho de Segurança, negou.


"Não interferimos e nem vamos interferir nos assuntos domésticos de qualquer país. Nos recusamos a aceitar quaisquer acusações infundadas contra a China", disse o chanceler chinês, Wang Yi, no CS.

"Eles não querem que eu ou nós vençamos porque eu sou o primeiro presidente da história a desafiar a China na questão do comércio, e nós estamos vencendo no comércio, estamos vencendo em todos os níveis", afirmou. "Não queremos que eles se metam ou interfiram nas nossas próximas eleições."

As eleições de novembro vão decidir se o Partido Republicano consegue manter o controle da Casa dos Representantes (deputados) e do Senado.

O FBI concluiu que a Rússia interferiu nas eleições presidenciais de 2016 nos EUA. Em uma cúpula em julho em Helsinque, na Finlândia, Trump aceitou a negativa do presidente russo, Vladimir Putin, e seu governo considera a investigação do caso como uma "caça às bruxas".

Mais tarde, nas redes sociais, Trump disse que "a China está colocando anúncios no [jornal] Des Moines Register e outros jornais, fazendo com que pareçam notícias".

A editora executiva do jornal, Carol Hunter, disse que os anúncios eram compreensíveis.

"Somos a maior organização de mídia do Iowa, e os fazendeiros de Iowa estão afetados de modo desproporcional pelas tarifas chinesas."
*Da Folha