CBF rebaixa árbitros que marcaram pênaltis erroneamente em rodada do Brasileiro

      



O presidente da Comissão de Arbitragem da CBF, Coronel Marinho, anunciou que os trios de arbitragem encabeçados por Dewson Fernando Freitas da Silva (PA), Sávio Pereira Sampaio (DF) e Caio Max Augusto Vieira (RN), que marcaram pênaltis erroneamente na 27ª rodada do Campeonato Brasileiro, no último final de semana, ficarão na Série B por alguns jogos para "reavaliação".

"Eu não gosto da palavra punição. Eu risco do meu dicionário. Existe um trabalho de melhoria do árbitro. Isso é feito com os árbitros e com os assistentes. Então existem outras competições para que eles possam estar atuando novamente, para que possamos estar reavaliando se é caso de voltar ou não para a Série A, que é a competição mais importante aqui e de uma exposição muito grande", afirmou Marinho ao canal SporTV.

Dewson, ao lado dos bandeiras Hélcio Araújo Neves (PA) e Heronildo Freitas da Silva (PA), errou no jogo entre Palmeiras e Cruzeiro, realizado no último domingo, no Pacaembu, ao assinalar pênalti em uma mão na bola do zagueiro palmeirense Gómez que foi fora da área. A cobrança foi convertida por Mancuello. O time palmeirense venceu o confronto por 3 a 1.

Lance parecido aconteceu no jogo entre Internacional e Vitória, também neste domingo, no Beira-Rio, onde Lucas Fernandes, do time baiano, pôs a mão na bola fora da área, mas Sávio, que trabalhava ao lado de Daniel Henrique da Silva Andrade (DF) e Ciro Chaban Junqueira (DF), igualmente marcou penalidade, que D"Alessandro cobrou para dar a vitória ao Inter por 2 a 1. Na partida também houve um gol mal anulado do Internacional.


Já Caio Max Augusto Vieira apitava Santos x Atlético-PR, também neste domingo, na Vila Belmiro, junto com Jean Márcio dos Santos (RN) e Vinícius Melo de Lima (RN) e, nos acréscimos do segundo tempo, viu pênalti em uma trombada de Dodô e Rony dentro da área santista. A penalidade deu a vitória ao time da casa por 1 a 0.

"Você vai numa outra competição analisar e esse é o nosso trabalho com os assistentes e com os árbitros. Vamos passar correções para eles e para a equipe deles, pois é um trabalho em equipe que falhou. Eles serão reavaliados e, se estiverem bem, voltam, se não, vão continuar lá", explicou Marinho.
*Do Estadão