BRASIL VENCE CLÁSSICO SUL-AMERICANO NAS ARÁBIAS

      



Por Zedejesusbarreto
Foi aquele jogo amistoso com gostinho de oficial, disputado, brigado,  até pela rivalidade. Muito calor, intensidade média, mais equilíbrio na primeira etapa  e o Brasil melhor no segundo tempo.

  Com Os Hermanos fechados, a equipe brasileira teve dificuldades de penetrar pelo meio, congestionado, e explora pouco as jogadas de linha de fundo. Só Neymar ousa. O gol, na testada de Miranda em cobrança de escanteio de Neymar, só saiu no finalzinho.  Vencer é sempre bom e vencer a Argentina melhor ainda.

  Brasil 1 x 0 Argentina , em Jeda /Arábia Saudita, tarde de terça-feira, noite nas arábias.   

**

  Equipe escalada por Tite:

  - Alisson, Danilo, Miranda, Marquinhos e Fillipe Luiz; Casemiro, Artur, P Coutinho e Neymar (o capitão) formando o meio campo; Gabriel Jesus e Firmino mais na frente, uma novidade.

*

   Uma Argentina de caras novas, inclusive o treinador, Scalone. O goleiro Romero; Sarabia, Tagliafico e Pezella ao lado do conhecido Otamendi.  Peredes, Bataglia, LoCelso, Correa... e na frente o artilheiro Icardi ao lado do talentoso meia Dibala.

 

**

  A despeito de ser um amistoso, assim que a bola rolou o que se viu foi uma pegada forte, de lado a lado, a marcação adiantada no campo adversário, confronto pra valer.

- Primeiro chute perigoso, aos 7min, do meia Lo Celso, livre na meia lua, aproveitando uma falha no domínio de Casemiro; o chute rasteiro passou rente ao poste de Alisson.

  A equipe amarela/azul do Brasil aos poucos foi tomando as iniciativas, trocando mais passes, chegando, mas pouco finalizando. Os Hermanos se protegendo bem, brigando muito pela bola, dando faltas se preciso.

- Aos 27’, após cruzamento largo da esquerda, o zagueiro Miranda apareceu livre do lado oposto; dominou e bateu firme para o gol, a bola passou pelo goleiro e Otamendi salvou em cima da linha. A melhor chance de gol.

Dois minutos depois, Dibala bateu falta, de canhota, a um palmo do ângulo da trave de Álisson, assustando.

*

  Foi uma primeira etapa em ritmo moderado, sem correria, equilibrada. O Brasil teve mais posse, trabalhou melhor a bola no meio campo, mas penetrou e chutou pouco. Os argentinos marcaram bem e foram perigosos sempre que avançaram. A dupla de frente Firmino/Gabriel Jesus não se entendeu e P Coutinho não entrou no jogo.

*  

  Nenhuma mudança nas equipes depois do intervalo, nada diferente também em campo, no começo da segunda etapa. Foram, de novo, os argentinos  que chegaram primeiro; uma penetração e chute de Icardi, para fora.  Aos  7’, saiu o lateral Danilo, machucado no tornozelo, entrou Fabinho.  Martinez no lugar de Dibala, do outro lado; sem  sentido.

 G Jesus mais aceso, pela direita, e Neymar mais aberto na esquerda. Precisa o Firmino acertar e o P Coutinho  entrar no jogo. Quem sabe um pouco mais de velocidade, de objetividade. Os argentinos são mais perigosos quando atacam, parecem ter mais gana de vencer.

   Aos 19’, saiu G Jesus e entrou Richarlyson, na frente.  Os brasileiros cresceram em campo.

  - Aos 23’, ótima arrancada de Neymar pela canhota, o chute cruzado, rasante da linha de fundo, Richarlyson perdeu  o gol, fechando na direita e chutando fora. Boa chance!  Aos 25’, Neymar cruzou da esquerda e Arthur pegou de primeira, da entrada da área, para elástica intervenção do goleiro Romero, espalmando.

   Aos 27’, saiu Lo Celso, entrou Sálvio, na equipe azul celeste e branco. Nada de gol. Saiu Tagliafico, entrou Acuña, aos 36’. O Brasil melhor, atacando, mas...  os Hermanos chegam junto, marcam e matam as jogadas.  

  Aos 39’, Cassemiro cobrou falta (mais uma em Neymar) da intermediária, forte, tem desvio na barreira e raspa o poste, o goleirão só torcendo. Aos 45’, outra trama brasileira, finalização de Richarlyson, desvio na zaga, a pelota riscando o rodapé do poste.

 - Gol ! Brasil, 1x 0, Miranda, escorando o escanteio da esquerda, cobrado na medida por Neymar. Antecipou-se ao goleiro na pequena área.

   Placar justo, o Brasil jogou mais, até teve o domínio na segunda etapa; os Hermanos defenderam-se bem, dificultaram, tentaram, deram trabalho.

No final, valeu a jogadinha ensaiada e já manjada do escanteio, com os zagueiros fechando na pequena área adversária. Vencer o clássico é sempre bom, faz bem.

 

*

 

 

Destaques    

 O goleiro Álisson pouco empregado, mas sempre assusta.

Danilo/Fabinho e Fillipe Luiz nas laterais marcam bem, mas no apoio ao ataque sentimos saudades de Dani Alves e Marcelo.

Casemiro sempre guerreiro mas longe de seu melhor momento. Arthur bem à vontade, cadencia o meio campo. P Coutinho não atravessa boa fase.

Firmino ausente, G Jesus sempre lutando, Richarlyson é mais contundente,  finalizador.  Neymar, o melhor, o mais lúcido, o que tem os lampejos criativos, mesmo com marcação dura e pouco espaço.

*

 Os argentinos sempre perigosos, valentes, venderam caro, só tomaram o gol já no final, em bola parada.