Barral afirma que não sabia que empresa contratada era investigada na "máfia das merendas"

      



O titular da Secretaria de Educação de Salvador, Bruno Barral, conta que não sabia das investigações que existem sobre a empresa Nutriplus Alimentação e Tecnologia LTDA no caso da "máfia da merenda" no estado de São Paulo.

Em entrevista à Metrópole nesta terça-feira (6), Barral afirmou que não recebeu nenhuma observação contrária à contratação da Nutriplus para prestação de serviço alimentar escolar. "Ela responde por um processo, mas nós não tivemos nenhuma menção do Tribunal de Contas ou da Controladoria. O processo, inclusive, está aberto ao público. Não posso contratar mais caro porque a empresa está respondendo processo. Nem sabia que estava", disse o secretário à emissora soteropolitana.

O resultado da licitação para contrato de R$ 25,3 milhões foi publicado pela prefeitura de Salvador no Diário Oficial do dia 25 de outubro.

De acordo com o Ministério Público de São Paulo, empresas que forneciam a merenda escolar para as escolas da rede municipal de ensino formaram um cartel e montaram um esquema de corrupção de agentes públicos que atua desde 2001, quando a prefeitura implantou a terceirização no setor. Segundo as investigações, o esquema era formado pelas empresas SP Alimentação e Serviços Ltda., Geraldo J. Coan & Cia Ltda., Sistal Alimentação de Coletividade Ltda., Nutriplus Alimentação e Tecnologia Ltda; Convida Alimentação S.A e Terra Azul Alimentação Coletiva e Serviços Ltda. Estas empresas teriam fraudado o pregão realizado em 2006, combinando o preço de seis lotes da concorrência realizada em 2006 e cujo contrato foi firmado em 2007 e depois várias vezes prorrogado.
*Do BNews