UFBA celebra o Novembro Negro com múltiplas atividades

      



A Universidade Federal da Bahia promove a partir do dia 23 de novembro (sexta-feira) uma série de atividades para celebrar o Novembro Negro, que este ano terá como tema “Yabás: da ancestralidade à resistência”. Yabá significa “Mãe Rainha”, título que no Brasil, no universo das religiões de origem africana, abrange todas as orixás femininas. Elas são representadas pelas mulheres sustentadoras do mundo, guerreiras, caçadoras, comerciantes, mestras, médicas e artistas.

“O tema reflete a importância de valores e saberes de matriz africana para pensar as relações sociais e a produção de conhecimento na academia. Sendo assim, a ancestralidade e o protagonismo das mulheres negras merecem destaque”, destaca Cássia Maciel, pró-reitora de Ações Afirmativas e Assistência Estudantil (Proae) da UFBA.

O conjunto de atividades da semana visa a fortalecer o debate em torno das relações raciais e do racismo, segundo a pró-reitora, assim como “o relevante papel da universidade pública na reversão de cenários de desigualdades”. Os debates, oficinas e exibição de filmes serão gratuitos, abertos a todos os interessados, e realizados em diversos espaços da UFBA, de 23 a 30 de novembro.

Programação

23/11 – sexta-feira – 14 às 17hs – Auditório da Facom
Mesa “O que é interseccionalidade?”, com Carla Akotirene

27/11- terça-feira – 17 às 21hs – Auditório Facom
Exibição do filme “Café com Canela”

28/11 – quarta-feira – 17hs – Praça das Artes/Ondina
Oficina de Dança Afro, com Paulo Cortês

29/11 – quinta-feira – 14 às 17hs- Auditório da Facom
Conferência “Gênero e Raça na Política”, com Olívia Santana

30/11 – sexta-feira – 14 às 17hs- Auditório da Facom
Mesa “Estética, Subjetividade e Empoderamento”, com Ivy Guedes e Carina Feitosa

.

 

Seminário internacional

O Seminário Salvador e suas Cores 2018: cidades da diáspora negra – laços África-Brasil é mais um evento que integra o Novembro Negro da UFBA, de 22 a 24 de novembro, na Faculdade de Arquitetura  da UFBA, por iniciativa do EtniCidades: grupo de estudos étnico-raciais em arquitetura e urbanismo.

O objetivo do evento é traçar paralelos entre as realidades das cidades do Brasil e de países africanos, a partir da promoção de visibilidade para a produção da arquitetura e do urbanismo na África, que não são tratados nos currículos de graduação e pós-graduação do curso de Arquitetura no Brasil. Há assim um esforço por descolonizar o pensamento nesse campo, trazendo à cena problemas e experiências dos processos de segregação étnico-racial nas cidades africanas e brasileiras.

 

O Mafro e Você

A série de diálogos com a diáspora africana de Salvador do projeto O Mafro e Vocêrealizado pelo Museu Afro Brasileiro da UFBA, apresenta relatos de experiências de vida com destaque para a contribuição social de ações afirmativas como mais uma atividade em comemoração ao mês da consciência negra na UFBA.

Na terça-feira, 21, o projeto traz o mestre Dimas Santos, sacerdote do candomblé (Babalorixá do Ilê Axé Iboro Odé), artesão e especialista em artes manuais de matriz africana para uma conversa sobre o pano da Costa, suas funções e utilidades, cuja exposição está em cartaz no Mafro. Atualmente, ele coordena o projeto “Pano da Costa: Arte Afro-brasileira de Tecer”, patrocinado pelo Fundo de Cultura da Bahia, Setorial de Economia Criativa 2016.No último encontro, em 28 de novembro, o ator e publicitário Heraldo de Deus é o convidado para uma conversa sobre o espaço ocupado pelo corpo negro nas artes cênicas e audiovisuais. Com atuação em várias peças de teatro e filmes, participou mais recentes da peça Mario Gusmão.