Réveillon vai movimentar quase R$500 milhões na economia de Salvador

      



Salvador deve receber 460.962 turistas entre os dias 28 de dezembro e 1º de janeiro, quando acontece, na orla da Boca do Rio, o Festival Virada 2019. A estimativa é da Secretaria Municipal de Cultura e Turismo (Secult), que prevê um acréscimo de 7,2% em comparação ao evento do ano passado, quando a capital baiana recebeu 430 mil visitantes. 
 
Do total de visitantes previstos para este ano, 232.158 chegarão do interior do estado, sobretudo Feira de Santana, enquanto 154.128 virão de outros estados, com destaque para São Paulo, e 74.676 de outros países, a maioria argentinos. Isso representa uma injeção de quase R$500 milhões na economia da cidade, beneficiando desde o ambulante ao empresário, gerando empregos diretos e indiretos. 
 
Em relação à ocupação nos hotéis da cidade, o trade turístico estima um incremento de 11% em relação ao mesmo período do ano passado, quando foi registrada uma taxa média 82%. Em relação ao dia da virada, o número de leitos ocupados deve chegar a 98%. "São dados positivos que refletem a consolidação do Festival Virada Salvador como o segundo maior produto turístico da cidade, só perdendo para o Carnaval", declara o titular da Secult, Cláudio Tinoco.
 
"Temos uma expectativa muito positiva para a festa deste ano, graças a fatores como divulgação antecipada e o número de reservas já asseguradas nos hotéis da cidade. São cinco dias de festa e a garantia é de excelente ocupação, com 80% dos leitos da região entre Itapuã e Pituba já estão reservados", disse José Manoel Garrido, coordenador da Câmara Empresarial do Turismo da Fecomércio-BA.
 
Gastos por turista - Quanto à média dos recursos deixados por esses visitantes ao longo dos cinco dias de festa, a Secult estima um gasto individual em torno de R$ 980 aplicados em alimentação (35%), deslocamento interno (29%), compras (18%), hospedagem (14%), guias e excursões (2%) e espetáculos em geral (2%). Isso representa uma movimentação de quase R$500 milhões na economia de Salvador. 
 
"Esperamos vendas tão relevantes quanto no ano anterior, quando a média de arrecadação dos ambulantes girou em torno de R$ 500 e R$ 1.500 por dia, entre os vendedores de bebidas, lanches, balas e souvenires", afirmou Rosemário Lopes, presidente da Associação Integrada de Vendedores Ambulantes e Feirantes da Cidade de Salvador (Assidivam).