Sucessão de ACM Neto ganha novos candidatos

      



Pelo menos mais dois políticos estão de olho na sucessão do prefeito de Salvador, ACM Neto (DEM), em 2020. Um dele é o deputado federal reeleito Cacá Leão (PP), que é filho do vice-governador da Bahia, João Leão (PP). O parlamentar progressista tem o título de eleitor em Lauro de Freitas, mas não descarta transferir para competir pelo Palácio Thomé de Souza.

“Tem que ser um passo de cada vez. Uma candidatura dessa não pode ser por uma vontade pessoal. Tem que construir dentro do grupo. Não conheço nenhuma candidatura imposta que tenha levado ao seu sucesso”, afirmou. Reeleito na eleição deste ano, o deputado vai para o segundo mandato. Ele obteve na eleição 106.592, mas apenas 2.128 em Salvador. Cacá Leão já disputou um cargo majoritário. Em 2004, foi candidato a prefeito de Lauro de Freitas e perdeu a briga contra Moema Gramacho (PT). O progressista teve 38% dos sufrágios, já a petista 45%.

Ontem, o pai do deputado apoiou a possível empreitada do descendente. João Leão afirmou que “se Cacá lançar nome vai ser difícil combatê-lo”. “Pela responsabilidade dele, o tratamento para com o seu semelhante, o ser humano que é, seria uma alternativa excepcional, muito boa para o povo de Salvador. Afinal, não há nada que abone sua conduta pública, se assim for sua vontade”, disse. “Posso dizer que o PP no quesito renovação é o partido que mais se destaca não só pela idade, mas pelos ideais. Possui uma safra nova que é excepcional e Cacá pode ser uma dessas alternativas para 2020, depende dele”, emendou.

Outro nome que surgiu como possível postulante ao Palácio Thomé de Souza é o do presidente eleito da Câmara de Salvador, Geraldo Júnior (Solidariedade). Geraldo tem dito que o vice-prefeito de Salvador, Bruno Reis (DEM), é o candidato natural a sucessão de ACM Neto, mas não tem descartado a possibilidade de entrar na corrida eleitoral. Em recente entrevista, afirmou que, se fosse chamado para o desafio, iria “receber essa missão com honra”, ao acrescentar que já “determinei em minha vida que um dia vou governar essa cidade”.

Anteontem, o presidente da Câmara de Salvador e deputado estadual Leo Prates (DEM) afirmou, em entrevista à rádio Metrópole, que Geraldo Júnior pode ser o candidato do grupo. “Ele é preparado intelectualmente e emocionalmente. Já foi secretário municipal com grande sucesso, vai ser um grande presidente da Câmara. Eu acho que é um grande nome, eu acho que a sociedade está clamando por renovação. Geraldo reúne todas as condições para pleitear qualquer cargo. A decisão é feita em grupo, eu acho que é um grande nome”, declarou. Além de Cacá e Geraldo, Bruno Reis (DEM), Nelson Pelegrino (PT), Marcio Marinho (PRB) já mostram interesse em competir pelo posto.

Reis é o virtual candidato, e já começou a ser pavimentando pelo prefeito ACM Neto. Questionado pela imprensa, o Neto admitiu que o vice pode acumular uma função de secretário, quando acontecerá uma reforma administrativa. "Outras mudanças irão acontecer, até em função da saída de alguns secretários, como Geraldo Júnior (que deixa a pasta da Secretaria Municipal de Trabalho, Esporte e Lazer para retomar o mandato na Câmara de Vereadores). Mas tenho até dezembro para decidir isso. O que já está decidido é essa nova função de Bruno Reis", salientou. Recentemente, indagado sobre o assunto pela Tribuna, Reis deixou em aberta a possibilidade de ser candidato. “Tenho certeza que pelo meu trabalho, pelos amigos que eu construí na Bahia, principalmente pelo que o a gente escuta das pessoas onde a gente anda em Salvador, que esta pode ser uma possibilidade, mas isso só será debatido em 2020, no momento certo”, afirmou.

*Da Tribuna