Robô submarino irá auxiliar na prevenção de acidentes com navios-plataforma

      



Acidentes em plataformas e navios de petróleo podem causar danos ambientais incalculáveis e a recuperação pode levar décadas ou até séculos. Investir em segurança, portanto, é fator crucial e relevante nas atividades da indústria do setor. Para examinar tanques de carga em serviço de navios-plataforma (FPSOs), onde é armazenado o óleo retirado do fundo do mar, a Unidade EMBRAPII Senai Cimatec (Bahia), a petrolífera Shell e a empresa britânica Innospection estão desenvolvendo um robô de inspeção submarina capaz de detectar defeitos e anomalias na estrutura do casco.

A inovação auxiliará na prevenção de acidentes e vazamentos de óleo. O projeto tem custo de R$ 30 milhões, sendo que 1/3 do valor é aportado pela EMBRAPII com recursos não-reembolsáveis – o maior investimento até o momento da instituição. De acordo com o diretor-presidente da EMBRAPII, Jorge Guimarães, o setor de óleo e gás é estratégico para o País e necessita de constantes investimentos em pesquisa. “A exploração submarina reúne diversas competências tecnológicas, como robótica e inteligência artificial, que trarão mais segurança ao processo de exploração de petróleo”, destaca.

O desenvolvimento desta tecnologia irá permitir maior eficiência na inspeção de tanques de armazenamento de óleo, melhorando a integridade e a segurança dos navios-plataforma. Estima-se uma redução de custos entre 20% a 30% na inspeção dos tanques.

O robô também será equipado com dispositivos para limpeza das incrustações marinhas, o que deixará a rotina desta atividade mais segura. Atualmente, a limpeza dos cascos é feita por mergulhadores com uso associado de ferramentas robóticas, drones e embarcação auxiliar. O robô será lançado a partir do convés principal e se moverá na parte externa de cascos.

Sobre a EMBRAPII

A EMBRAPII atua por meio da cooperação com instituições de pesquisa científica e tecnológica, públicas ou privadas, tendo como foco as demandas empresariais e como alvo o compartilhamento de risco na fase pré-competitiva da inovação. O financiamento da instituição obedece a seguinte regra geral: a EMBRAPII pode investir até 1/3 das despesas das Unidades com projetos de PD&I com empresas, enquanto o valor restante é dividido entre a empresa parceira e a Unidade. Atualmente, já foram firmados mais de 600 projetos na EMBRAPII, totalizando cerca de R$ 1 bilhão em investimentos.