ACM Neto viaja e reforma no secretariado fica para final do mês

      



O prefeito de Salvador, ACM Neto (DEM), viajou para fora do país a fim de descansar e deixou a reforma do secretariado para o final deste mês. A expectativa é que o chefe do Palácio Thomé de Souza só retorne no dia 13 de janeiro. Até o momento, a única alteração anunciada foi na Secretaria Municipal de Trabalho, Esporte e Lazer (Semtel). A pasta estava sendo comandada interinamente por Adriano Gallo após o então titular, o vereador Geraldo Júnior (Solidariedade), deixar para ser candidato à presidência da Câmara de Salvador e vencer.

Com a saída de Geraldo, ACM Neto anunciou que a secretaria ficaria sob a batuta de Alberto Pimentel, marido da deputada federal eleita e presidente do PSL na Bahia, Dayane Pimentel. A decisão do prefeito de retirar a pasta do Solidariedade revoltou o presidente do partido, Luciano Araújo. “Em nenhum momento, o prefeito entrou em contato comigo depois da eleição. Nunca nem deu um telefone para nós do partido. Eu vou aguardar isso. Vamos aguardar se ainda vai nos querer como aliados ou não”, declarou.

O prefeito reagiu: “Não vi as declarações de Luciano Araújo e, como vocês sabem, as decisões de compor secretaria é uma decisão do prefeito. A gente tenta harmonizar com os partidos políticos, mas as escolhas são minhas. Foi uma decisão tomada por mim e eu estou absolutamente convencido que foi a decisão mais certa”, pontuou. Segundo Neto, o Solidariedade deve ocupar algum cargo no segundo escalão. Presidente da Câmara, Geraldo Júnior pediu sensibilidade ao chefe do Palácio Thomé de Souza. “O Solidariedade sempre foi um partido de primeira hora no governo do prefeito. Eu tenho certeza que por parte dele haverá sensibilidade sobre a nossa participação na administração municipal”, pontuou.

Além da Semtel, o prefeito ACM Neto irá mexer também na Secretaria Municipal de Infraestrutura e Obras Públicas (Seinfra). A expectativa é que o vice-prefeito de Salvador, Bruno Reis (DEM), assuma o posto, em lugar de Almir Melo, que foi indicado pelo MDB. O partido perdeu força depois de não conseguir eleger nenhum deputado federal na eleição anterior. "É uma opção. É uma das possibilidades, mas não há ainda nenhuma decisão”, admite. “[Independente da pasta], o objetivo é tentar acelerar os projetos, tendo em vista que a condição de vice-prefeito ajuda na relação com a Procuradoria para destravar”, acrescentou.

O chefe do Palácio Thomé de Souza vai mudar ainda o comando da Secretaria Municipal de Promoção Social e Combate à Pobreza (Semps), que hoje está sob a batuta do vereador licenciado Isnard Aráujo (PHS). Apesar de ser do PHS, ele foi indicado pelo PRB, partido da Igreja Universal do Reino de Deus (IURD), onde é pastor. O prefeito quer “despartidarizar” a pasta que nos últimos anos foi chefiada pelo PRB. Neto deve colocar um nome técnico na administração.

A Secretaria Municipal de Políticas para Mulheres, Infância e Juventude (SPMJ) também sofrerá alterações. Hoje, comandada pelo PTB, a pasta passará para as mãos do PRB. O posto estava reservado para a deputada federal Tia Eron, que recebeu convite para ser secretária da Mulher no governo do presidente Jair Bolsonaro (PSL). Diante disto, há rumores de que o PRB vai indicar ou Rogéria Santos ou Ireuda Silva, ambas vereadoras de Salvador, para a pasta. Rogéria leva vantagem, segundo aliados, por ter mais “capacidade” de gestão e ter sido responsável por “projetos sociais até fora do país”. No segundo escalão, há comentários de que o prefeito mexerá na Empresa de Limpeza Urbana (Limpurb) e Superintendência de Obras Públicas do Salvador (Sucop), mas ainda não há nomes cogitados.
*Da Tribuna