Balé Jovem de Salvador dança a nova montagem do espetáculo "Aroeira" da coreógrafa Cristina Castro

      



A memória como uma ilha de edição é o conceito central do espetáculo de dança Aroeira - com quantos nós se faz uma árvore. Idealizado pela coreógrafa Cristina Castro, com trilha sonora original de Milton Nascimento, foi montado originalmente há 12 anos pela então companhia de Cristina, o grupo Vila Dança. Em 2019 é o Balé Jovem de Salvador (BJS) que faz essa nova montagem no Teatro Vila Velha. Aroeira estreia dia 18 de janeiro e fica em cartaz até o dia 27, sempre de sexta à domingo.

 

Aroeira, essa árvore tão resistente e que vive tanto tempo acumulando camadas (seus nós) é a metáfora para as discussões sobre memória e tempo que a dramaturgia coreográfica pretende discutir. Cristina explica que o processo de construção do espetáculo aconteceu após um encontro com Milton Nascimento.

 

“Criei o espetáculo após receber um presente de Milton, que considero um dos maiores artistas da atualidade. Naquele exato momento, nascia a ideia de uma coreografia a partir dessa trilha que ele havia criado há dez anos, e ainda estava inédita. Milton tem o dom de inspirar. Sua música aliada a uma energia de construção, eternamente jovem e generosa, faz com que o seu entorno seja pura poesia e que os encontros aconteçam inesperadamente”, relembra a coreógrafa.

 

REMONTAGEM

 

Cristina Castro explica como ocorreu a ideia de convidar o BJS para realizar a remontagem de Aroeira. “O convite surgiu em conversa com Matias Santiago, amigo e parceiro de palco e projetos. Admiro todo o programa de formação que ele vem fazendo, um projeto tão necessário e emocionante. O elenco da remontagem de Aroeira foi selecionado em audição interna e traz a combinação que o espetaculo necessita: energia, atuação e troca. Remontar o espetáculo 12 anos após ter estreado é um desafio e uma homenagem ao tempo. É falar da resistencia de existir, de não esquecer, de escrever mais uma vez, de lembrar agora de forma diferente o passado no presente”, declara.

 

Para Matias, “é uma emoção muito grande reencontrar Cristina Castro e a sua coreografia com o Balé jovem de Salvador. Eu e ela temos uma história juntos, como bailarinos no balé do Teatro Castro Alves. Daí depois de um tempo depois a gente se encontra, com tudo que construímos em nossas vidas. Juntamos nossas bagagens para celebrar um balé montado com tanto carinho e dedicação à época e que hoje se renova com o elenco do BJS. É uma grande celebração de amizade, de troca e de transformação através da arte”, afirma Matias Santiago.

 

Balé Jovem de Salvador

 

Criado em 2007 por Matias Santiago, o Balé Jovem de Salvador (BJS) é uma companhia de dança com o propósito de promover a capacitação profissional de jovens bailarinos, contribuindo para a promoção de artistas locais no mercado de trabalho da dança. O BJS também contribui com o desenvolvimento da cena artística local ao promover a qualificação técnica e estética dos novos agentes da dança, no que compete à ampliação da economia criativa e também do público apreciador desta linguagem.

 

Cristina Castro

 

Gestora cultural e coreógrafa. Diretora e curadora artística do Vivadança Festival Internacional que acontece a doze anos na Bahia, também integra o colegiado de programação e gestão do Teatro Vila Velha. Em 1998 fundou a Cia Viladança circulando seus espetáculos e oficinas no Brasil, Europa e América do Sul. É premiada pela Unesco com o Prize for the Promotion of the Arts e diplomada pela Universidade Federal da Bahia no curso de licenciatura em dança. Foi convidada pela Funcación Carolina e Embaixada da Espanha participando do Primer Programa Sociedad Civil de Brasil nas cidades de Bilbao, Madrid e Vitoria. Pela Bolsa Vitae, participou do International Arts Management e International Choreography Residency nos EUA e pelo Goethe Institut e Embaixada da Alemanha, de intercâmbios em Frankfurt, Munique, Berlin, Dresden, Hamburgo, Essen, Stuttgart e Düsseldorf.

 

É criadora e curadora do Projeto PAVIO - arte e negócios, iniciativa para difusão, capacitação e internacionalização das artes baianas e Projeto Pé de Feijão - arte e educação, projeto que promove programação às artes cênicas para crianças e adolescentes da Bahia.

Ficha Técnica

 

Argumento, Direção e Coreografia: Cristina Castro

Assistência de Coreografia: Matias Santiago

Trilha Sonora Original: Milton Nascimento

Adaptação da Trilha: Jarbas Bittencourt e João Meirelles
Elenco: Dayana Brito, Flávia Rodrigues / Luiza Agra, Igor Vogada, Lukas DiJesus, Ruan Wills / Robson Ribeiro, Wendel Lim

Animações: Diogo Kalil, Franck Falgueyrac, Ian Sampaio
Iluminação: Fábio Espírito Santo

Cenografia Lorena Torres Peixoto, Cristina Castro e Fritz Gutmann (consultoria).

Figurino Luiz Santana

Consultores para a Dramaturgia Sérgio Rivero e Fábio Espírito Santo

Produção Bergson Nunes / Baobá Produções Artísticas

Realização Núcleo Viladança / Teatro Vila Velha e Balé Jovem de Salvador

 

SERVIÇO

 

Aroeira - com quantos nós se faz uma árvore

Quando: 18, 19, 20, 25, 26 e 27 de janeiro.

Horários e preços: Sexta e sábado, às 20h - R$ 20 e R$10 / Domingo, às 19h - R$ 30 R$15.

Onde: Teatro Vila Velha. | Av. Sete de Setembro - Passeio Público - Campo Grande, Salvador – BA.