Nelson Leal lamenta morte de Boechat e diz que o brasileiro ficará privado do seu jornalismo refinado

      



Presidente da Alba comentou que Ricardo Boechat era um dos melhores âncoras da TV brasileira na atualidade e deixa uma lacuna na imprensa do país.

“A morte do jornalista e radialista Ricardo Boechat abre uma lacuna no jornalismo do país e vai privar os brasileiros dos coerentes comentários, no rádio e na TV, de um dos mais sensatos âncoras da televisão brasileira na atualidade”.

Assim o presidente da Assembleia Legislativa da Bahia (ALBA), deputado Nelson Leal (PP), lamentou o trágico acidente de helicóptero, na manhã desta segunda-feira 11, em São Paulo, que deu cabo à vida de um dos mais festejados jornalistas do país.

O chefe do Legislativo estadual destacou a sensatez nos comentários de Ricardo Boechat, acerca dos mais relevantes temas da vida nacional, sempre com vista à democratização do Brasil e à defesa do estado democrático de direito.

“Uma grande perda para o jornalismo brasileiro. Que Deus conforte toda a sua família e os muitos colegas de profissão. Foi uma perda precoce, pois Boechat, com o seu jornalismo refinado, ainda tinha muito a oferecer à comunicação brasileira”, consternou-se, Leal.

Nascido em Buenos Aires, Argentina, Ricardo Eugênio Boechat, tinha 66 anos e era pai de seis filhos e deixa viúva Veruska Seibel. Foi vencedor dos Prêmios Comunique-se, Esso e Troféu Imprensa.

Começou na profissão como repórter do extinto jornal Diário de Notícias. Por ironia do destino, seu último comentário na mídia, na BandNews FM, hoje pela manhã, foi sobre a sucessão de tragédias que abateu o país desde o início do ano.