DECISÃO DO BAIANÃO/2019: TUDO IGUAL PARA O TIRA-TEIMA DOMINGO

      



Por Zedejesusbarreto
Foto: Romildo de Jesus
Com gol anulado pelo VAR, jogador expulso, dois golaços, equilíbrio de ações, futebol ofensivo, gol salvador nos acréscimos e muita dinâmica até o final, Bahia de Feira e Bahia (Capital) empataram no Joia da Princesa (1 x 1) e a decisão do título de Campeão Baiano 2019 está em aberto.

Domingo próximo, na Fonte Nova, duelo final, sem favoritos pelo que se viu nesse primeiro confronto. O Tricolor de Feira é um time rodado, não se intimida, e bem treinado, tinhoso, que evolui bem coletivamente e corre muito.

 Boa partida em Feira, bem movimentada, agradável de ver.   

**

 Curiosidades

 - Por uma questão regulamentar, o Tricolor da Capital acabou de certa forma favorecido com a realização da partida no Joia da Princesa, de grama natural. Bom gramado, por sinal. A Arena Cajueiro, mando do time feirense, tem capacidade para apenas 3.500 pessoas, e a decisão exige um estádio com capacidade maior. O Bahia de Feira em casa, na grama sintética, não perdeu. E o Jóia, com capacidade para 16.500 pessoas, além do mais, permitiu que a torcida da capital marcasse uma presença maior nas arquibancadas.

- O jogo da vida do talentoso e malandro treinador Barbosinha. A chance de sagrar-se campeão baiano e, por cima, vencendo o poderoso Bahia. Do outro lado o neófito Roger Machado, pela primeira vez treinando uma equipe nordestina. Em seu segundo jogo, estreando no campeonato baiano, e com uma decisão de campeonato pela frente.  Um desafio.

- O Bahia corre atrás de seu 48º título estadual. O Bahia de Feira foi campeão baiano em 2011, vencendo o Vitória, na final, no Barradão:  2 x 1.  Naquela equipe jogavam o veterano goleiro Jair, o zagueiro P. Paraíba e o meia Bruninho.  Jair, P Paraíba, Menezes e Deon já jogaram no Bahia/capital.  Na fase classificatória o Bahia de Feira derrotou o Bahia, então com o misto treinado por Ênderson Moreira, 2 x 0, na Fonte.

- Para o Tremendão, como é chamado o Bahia de Feira, outro desafio, caseiro. Chegar a marca de dois títulos estaduais, marca a que chegou o rival Fluminense, campeão baiano em 1963 e 69, ambas as vezes derrotando o Bahia.

-  O Bahia de Feira foi o time que menos perdeu na competição, apenas uma partida. O Bahia com o melhor ataque, 24 gols, e a defesa menos vazada. Mas o BaFeira marcou gols em  todos os seus jogos.  

- Foi o primeiro jogo de Campeonato Baiano com o uso do VAR, a tecnologia que permite a correção de erros da arbitragem através das imagens de tevê. No apito, em campo, Ricardo Marques, FIFA/MG.    

-  Tarde de sol fraco, calor, algumas nuvens carrancudas no céu, mas sem chuvas ...  O Bahia de Feira todo de branco e o Bahia com sua camisa tricolor, calções azuis.  

*

  Bola rolando

  - Logo aos 2 minutos, o VAR foi acionado, após uma queda de A Caíke na área, pedindo pênalti. Nada !

  - O jogo começou, brigado, marcado, mas na bola. Um BaFeira cauteloso e bem arrumado no gramado. Sem retrancas de parte a parte.  A luta pela bola em cada setor do campo. Jogo ofensivo.

  - Aos 8 minutos, A Caíke alçou uma falta, da direita, Fernandão meteu a testa e acertou a quina do travessão, o goleiro Jair batido. Primeira chance clara de gol.

- Aos 11’, a resposta; Deon ganhou no alto de Lucas Fonseca, plantado, e testou, também no travessão, com Ânderson vencido. Uma chance clara de gol pra cada lado. Equilíbrio de ações.

  -  Gol ! 1 x 0 , Bruninho, aos 27 minutos; ganhou no meio campo, livrou-se fácil do miolo de zaga da capital e bateu firme de canhota, rasteiro e bem colocado. Belo gol, de quem conhece as manhas do jogo.

  - O BaFeira mais à vontade, mais bem distribuído no gramado, com mais apetite. O Tricolor da capital sentiu o golpe, arrefeceu. Voltou a fustigar já nos minutos finais.

 - Aos 39’, Fernandão levou a marcação no corpo e bateu forte, mas errou o alvo. Aos 41’, laçando pelo alto, em profundidade, Fernandão matou no peito e arrematou de direita, de frente; novamente errou o alvo. Aos 43’, Nino alçou na pequena área e por pouco Fernandão não testou. Aos 44’, Douglas Augusto bateu da meia lua, cobrindo o travessão.  Aos 46’, novamente a defesa visitante deu mole e Deon arrematou da entrada da área; fora.

*

 Foi um jogo equilibrado e bem jogado na primeira etapa. A diferença foi a jogada talentosa e decisiva do meia Bruninho, 1 x 0.  Destaques para os laterais Van e Cazumba, a determinação tática do time interiorano, marcando bem, e o talentoso e já veterano meia Bruninho. 

Do outro lado, o miolo de zaga tricolor continua dando mole, lerdo, e atuando muito atrás.O chute de Bruninho, apesar de preciso, era defensável; o goleiro Ânderson pulou atrasado e não chegou nela.

*

  De volta da merenda, as mesmas equipes. O BaFeira mais retraído, apostando nos contragolpes.

- Aos 3’, após boa jogada ensaiada em cobrança de falta, Élton, de cara, não fez o gol porque Jair saiu e salvou nos pés do meia tricolor.

 -  Gol anulado pelo VAR !  Jarbas, aos 8 minutos, aproveitando, na praia, um erro infantil da dupla de zaga da capital – Lucas e Ernando erraram a bola  -, completando, livre na pequena área. O VAR detectou impedimento no lance. O meia Vitinho, que cruzou a bola, estava impedido quando a recebeu na direita.

  Roger Machado trocou A.Caíke (que nada fez) por Gilberto, mudando o esquema, agora com dois avantes, dois homens de área na frente. Depois, tirou Eric Ramires e entrou Shaylon. O Bahia de Feira começou a travar o ritmo, ganhando tempo, enervando o adversário. Correto. E correndo muito.

 - Aos 18’, após boa trama pelo meio, Fernandão girou, já na área, e bateu firme, por cima. Aos 25’, a defesa do Bahia cochilando, Ebinho bateu rasteiro, raspando o poste.

   Aos 27’, o treinador Barbosinha tirou um atacante, Vitinho, e colocou mais um zagueiro, o rodado Menezes, precavendo-se e buscando garantir o placar. Aos 29’, Roger trocou o exausto Fernandão – infeliz nas conclusões – e colocou o ponta Rogério.

  - Aos 30’, num contragolpe às costas de Lucas Fonseca, Bruninho chegou a desviar a bola do goleiro, mas Ernando tirou quase na linha.  O Bahia de Feira perigava muito nos contragolpes em velocidade, ganhando sempre dos zagueiros. Aos 36’, Rogério achou Douglas na área, o chute saiu mas Jair espalmou. Aos 36’, saiu Bruninho, cansado, entrou Edmar.  E o tempo passando.

  Aos 42’, com o auxílio do VAR, Bispo foi expulso com o segundo cartão amarelo. Jair salvou mais uma e, experiente, caiu, gastando tempo e quebrando o ímpeto adversário. Aos 47’ por muito pouco Ebinho não ampliou, em mais uma falha bisonha de Ernando; o atacante tentou encobrir o goleiro, de cabeça, mas não conseguiu. Um Bahia já sem forças e inspiração para reagir. Mas ...

 - Gol ! 1 x 1, Rogério, emendando de primeira, do lado direito, o cruzamento de Moisés lá da esquerda; o chute saiu seco e cruzado, sem defesa. Aos 52minutos.

Aos 54’, Jair salvou o gol da virada nos pés de Artur, cara a cara, na linha da pequena área. A mais difícil e importante defesa da partida. E acabou.

  Mais uma vez o Tricolor se salvou com gol já nos acréscimos. Mística ou sorte?

  Título em aberto, decisão na Fonte, domingo, sem favoritismos. O Bahia de Feira é uma equipe bem treinada e tinhosa.   

 *

Destaques

No time da casa, o goleiro Jair, com defesas importantes. Os dois laterais, Van e Cazumba. Jarbas e Bruninho.  E o eficiente trabalho do treinador Barbosinha. Equipe bem arrumada.

Pelos visitantes, a correria de Nino Paraíba, a  vontade de Élton, Fernandão ... o golaço salvador de Rogério.  Preocupante atuação do lento e vacilão miolo de zaga / Lucas e Ernando;  Artur correu mas errou muito, A. Caíke apagadão.  Roger parece que é sortudo.   

*

Ficha técnica

- Bahia de Feira: - Jair, Van, Paulo Paraíba, Vitor e Cazumba; Gabriel, Capone, Jarbas (Ebinho) e Bruninho; Vitinho(Menezes) e Deon.   Treinador, Quintino Barbosa (Barbosinha)

- Bahia:- Vânderson, Nino, Enderson, Lucas Fonseca e  Moisés; Élton, Douglas Augusto, Ramires (Shaylon); Artur, Fernandão (Rogério) e A. Kaíke (Gilberto). Treinador, Roger Machado.

 

*

 O jogo das faixas/Taça, tira-teima, será no próximo dia 21, na Fonte Nova. Promete. Não  será fácil.  

 Antes, no dia 17, o Bahia recebe o Londrina, primeiro jogo do confronto eliminatório valendo pela Copa do Brasil.

 

*

 Outros jogos/decisões estaduais

  São Paulo 0 x 0 Corínthians; Vasco 0 x 2 Flamengo;  Atlético (MG) 1 x 2 Cruzeiro;

  Internacional 0 x 0 Grêmio; Náutico 0 x 1 Sport;  Fortaleza 2 x 0 Ceará.

   Atlético  (GO)  3 x 0 Goiás.  

**