Vereador Odiosvaldo Vigas alerta sobre cuidados com o coração

      



Segundo a Sociedade Brasileira de Arritmias Cardíacas (Sobrac), a cada dois minutos uma pessoa morre de morte súbita no Brasil, a doença atinge 300 mil brasileiros e é responsável por até 90% dos casos, conforme estudos do Ministério da Saúde. Com base nesses dados, o vereador Odiosvaldo Vigas (PDT) chamou atenção sobre isso na passagem do Dia Mundial e Municipal da Saúde - 7 de abril. “Como médico cardiologista, saliento que as pessoas, ao apresentar arritmia, devem redobrar os cuidados com o coração, pois a doença tem números alarmantes e pode ser evitada com medidas básicas e hábitos saudáveis”.

O Dia Mundial da Saúde foi criado pela Organização Mundial de Saúde (OMS) – órgão da ONU - em 1948 com objetivo de contribuir para manter o bom estado de saúde das pessoas e também de alerta sobre os principais problemas que podem atingir a população.

O vereador chama atenção para uma matéria publicada na revista Vilas Magazine, edição de fevereiro desse ano, que trata de questões relacionadas ao assunto. A arritmia é formada por alterações elétricas que geram irregularidades no ritmo das batidas do coração, podendo acelerar ou bater mais lentamente que o normal ou apresentar as duas irregularidades. Em razão disso, quando não é diagnosticada e tratada corretamente, pode provocar parada cardíaca, doenças no coração e a morte súbita.

Fique atento: os sintomas são palpitações, desmaios, tonteiras, dor no peito, confusão mental, fraqueza, palidez, falta de ar, escurecimento da vista e pressão baixa. O fatores de risco são hipertensão, diabetes, sedentarismo e tabagismo; atinge principalmente as pessoas entre 45 e 75 anos, incidência maior em homens, mas pode acometer desde recém-nascidos até os adultos.

Funcionamento do coração: tem um ritmo constante; pode bater mais rápido nas atividades físicas, em fortes emoções ou mais devagar no repouso. Geralmente varia de 60 a 100 batimentos por minuto e a prevenção é possível com hábitos saudáveis, evitar cigarros e bebidas alcoólicas, reduzir o estresse, pratica de atividades físicas e alimentação saudável.

Odiosvaldo Vigas frisa que o diagnóstico da doença se dá através de avaliação clínica, exames como o eletrocardiograma, holter, teste ergométrico e estudo eletrofisiológico e avaliação cardiológica em pessoas com histórico de desmaios ou história familiar. O tratamento é feito com medicamentos específicos, implante de marca-passos e cateteres levados ao coração por veias e artérias, sem abrir o tórax.