Prefeitura inicia construção da UPA Cidade Baixa

         



Já fazem quase três anos do fechamento da Unidade de Pronto Atendimento (UPA) de Roma pelo Estado e desde então os moradores da Cidade Baixa pedem à Prefeitura a construção de um novo equipamento do tipo. Esse desejo começou a se realizar hoje (30), quando o prefeito ACM Neto deu início às obras da UPA da região, na Avenida Dendezeiros, no Bonfim – bem em frente às Obras Sociais Irmã Dulce (Osid). A ordem de serviço foi assinada no local nesta terça-feira (30), em evento que contou ainda com as presenças do vice-prefeito Bruno Reis, do secretário municipal da Saúde, Luiz Galvão, demais gestores e autoridades municipais, lideranças comunitárias e população.

 

O prefeito ressaltou os desafios enfrentados pela gestão municipal com o fechamento da UPA de Roma, desde as cobranças da população causada pela decisão estadual até o processo judicial pelo terreno. “A gente percebe a necessidade dos moradores da Cidade Baixa, inclusive alguns do Subúrbio, pelos serviços de urgência e emergência. A Prefeitura assumiu o que era uma tarefa do governo estadual e, depois de uma luta para garantir a desapropriação do terreno, finalmente conseguimos concluir todo o processo. A empresa está com a ordem de serviço dado para começar as obras agora. A gente espera que, já no próximo ano, toda a população da região possa ter atendidas as necessidades de urgência e emergência”, relatou ACM Neto.

 

A unidade de saúde é um desejo dos moradores do Distrito Sanitário de Itapagipe, que atualmente não contam com um equipamento do tipo – a estrutura semelhante mais próxima, de acordo com o secretário Luiz Galvão, está localizada a 15 quilômetros de distância. “A UPA Cidade Baixa vai funcionar 24 horas por dia e terá capacidade para atender a 450 pessoas diariamente. Com isso, será feita uma reparação com a população devido ao fechamento da UPA de Roma”, salientou o titular da secretaria.

 

Estrutura - O investimento total para a UPA Cidade Baixa, incluindo desapropriação, construção e equipamentos, é de R$10 milhões. Os serviços oferecidos serão de urgência e emergência, com atuação de uma equipe multiprofissional e interdisciplinar composta pelas categorias profissionais necessárias ao atendimento. Esta equipe será integrada pelos seguintes serviços: medicina-clínica; pediátrica; ortopédica; odontológica; enfermagem; serviço social; nutrição; farmácia; e apoio diagnóstico.

 

A UPA será composta por seis consultórios médicos, um consultório odontológico, laboratório, central de material esterilizado, sala de classificação de risco, sala de reanimação, observação adulto (masculino e feminino) e pediátrica. Além disso, terá também recepção, salas de espera, áreas administrativas, vestiários, depósito de material de limpeza e almoxarifado.

 

Por se tratar de UPA tipo III, a unidade possuirá 26 leitos assim distribuídos: quatro de reanimação, 24 de observação (sendo cinco pediátricos) e três de isolamento. Haverá ainda duas salas de inaloterapia adulto e pediátrico, duas de administração de medicamentos adulto e pediátrico, além de espaços de RX, ECG, sala de pequenos procedimentos, serviço social, farmácia satélite, laboratório e almoxarifado.

 

Balanço – A UPA Cidade Baixa será a décima estrutura do tipo administrada pela Prefeitura – a nona construída pela gestão municipal desde 2013. Estão em funcionamento as Unidades de Pronto Atendimento de Periperi, Paripe, Brotas, San Martin, Santo Inácio/Pirajá, Parque São Cristóvão, Valéria, Barris e Itapuã (Hélio Machado).