Indústria doa retalhos de tecidos para entidades sociais

      



Cerca de 800 kg de retalhos de tecidos são doados mensalmente pela indústria Camisas Polo Salvador para creches, asilos e associações. Essas sobras, geradas da fabricação de vestuário, são utilizadas na fabricação de fuxico, estopa, trapos e outros produtos, utilizados no consumo doméstico e na indústria automobilística. Além disso, a empresa também faz doação de sobras sólidas para a Camapet e outras entidades que trabalham com reciclagem. “Esses resíduos poderiam ser vendidos ou descartados, mas é dever das empresas pensar o social”, afirma o empresário Hari Hartmann.

As ações são parte do programa social adotado pela empresa, que vem se destacando com projetos que visam a sustentabilidade. Dentro do Condomínio Bahia Têxtil, situado na Rua do Uruguai, nos Mares, a empresa realiza também a compostagem de resíduos orgânicos, utilizados para adubação de grama e plantas na área dividida por mais de 20 indústrias. “Estou construindo agora paredes verdes, com uso de caixas de eucalipto, para servirem como exemplo para outras empresas. É importante para os colaboradores e pessoas que circulam em nossa área esse contato com o meio ambiente”, conta Hartmann, um geólogo que virou empresário do ramo de confecções e que sempre foi um entusiasta da relação empresa e meio ambiente.

A Camisas Polo Salvador é hoje a única indústria de Salvador com 100% de uso de energia gerada por placas solares e chega a utilizar até 70% de água acumulada de chuva. A empresa lançou também linhas de camisas ecológicas, com uso de materiais sustentáveis, como o fio poliéster feito a partir de garrafas PET, tecidos fabricados com fios de reciclagem e algodão orgânico. “Reduzindo os desperdícios, temos maior eficiência no processo industrial e menor investimento para soluções de problemas ambientais. Também, nos tornamos mais competitivos ao diminuirmos o uso de matérias primas, economizando na geração de energia e consumo de água”, afirma o empresário.