Administradora virtual de condomínios investe em tecnologia e reduz em até 50% os custos operacionais

         



Inovar. Esta é, sem dúvidas, uma das grandes tendências do momento. Afinal, o mundo está em constante evolução e a inovação tecnológica é a propulsora desta revolução digital que muitas organizações e modelos de negócios vêm adotando. No mundo da gestão condominial não é diferente. Já vemos desde a utilização de aplicativos a portarias remotas. Mas a startup baiana My Cond resolveu inovar ainda mais e transformar o tradicional em digital com a criação de uma Administradora Virtual de Condomínios.

Além do aplicativo, que facilita a comunicação entre síndicos e condôminos, agora a empresa passa a fornecer controle financeiro, emissão de boletos, serviços contábeis, folha de pagamento e muito mais. Segundo a CEO do My Cond, Ana Rita Oliveira, a meta é reduzir os custos em até 50% em relação a uma administradora convencional, sem abrir mão da qualidade e respeito aos requisitos legais.

No ramo há mais de 3 anos, a startup baiana tem estudado cada vez mais as principais dores de administradores e síndicos de condomínios. “Em uma conversa que tive com um síndico ele relatou que vivia mudando de administradora e sempre encontrava os mesmos problemas; contabilização errada, perda de documentos e custo elevado”. De olho nas dificuldades, Ana recorreu à tecnologia para impulsionar a geração de resultados, e hoje, graças à automação, fornece uma gama de serviços com o foco na agilidade, praticidade, transparência e baixo custo.

“Apesar de todos estarem se adaptando com essa nova ferramenta, a avaliação está sendo muito positiva”, relatou o usuário Cezar Araújo, síndico do Condomínio Diamante Gold em Feira de Santana.

Por ser um serviço virtual o My Cond pode atender em todo Brasil e condomínios de qualquer porte. “Esse é mais um ponto importante, as administradoras tradicionais costumam ter alto custo, o que impossibilita a aquisição de muitos empreendimentos de pequeno porte. O My Cond chega para democratizar esse acesso, graças ao baixo custo”, explica a CEO.