Regata Aratu Maragojipe celebra 50 anos neste sábado e valoriza turismo náutico na Bahia

         



Com 177 barcos inscritos de nove estados brasileiros, incluindo duas embarcações francesas, a Regata Aratu Maragojipe celebrou 50 anos neste sábado (24), em mais uma edição, movimentando a economia e o turismo no Recôncavo baiano. Os organizadores do evento, que conta com o apoio da Secretaria de Turismo do Estado (Setur), estimam que mais de 40 mil pessoas circulam por Maragojipe (a 140 quilômetros de Salvador) no dia da prova, que coincide com as comemorações do padroeiro da cidade, São Bartolomeu.


A coordenadora de eventos da Setur, Heloísa Caldeira, ressaltou que o Governo do Estado já vem apoiando a Regata Aratu Maragojipe há algum tempo. “Nesta edição de 50 anos não poderia ser diferente. O turismo náutico vem crescendo cada vez mais, existem várias ações do governo nessa área e a regata traz um legado muito grande. A gente sabe que não vêm apenas os velejadores, mas amigos, familiares, jornalistas do mundo inteiro. O evento é uma grande vitrine, inclusive para outros países. Esta é uma das maiores regatas da América do Sul, mostrando as belezas de Maragojipe e do Rio Paraguaçu".
 
Os dois primeiros veleiros a alcançarem Maragojipe foram Maguni e Adrenalina Pura, após navegarem, em pouco mais de duas horas, um trecho da Baía de Todos-os-Santos e outro do Rio Paraguaçu, passando por pontos históricos como o Forte de Salamina. O coordenador da prova, Marcelo Fróes, afirmou que não conhece outra regata no mundo que percorra tanto o mar quanto um rio. "É uma peculiaridade, eu não conheço outra no mundo. Temos grandes nomes participando, como o velejador Lars Grael, medalhista olímpico. Além dos inscritos, a regata atrai outras embarcações, lanchas, jet-skis, movimentando toda a região", explicou.
 
O advogado Paulo Lawinski, de Salvador, foi com familiares e amigos para Maragojipe. "A regata, para nós, é uma tradição. Este ano nós viemos por terra. Alguns amigos vieram competindo, nós estamos aguardando para confraternizar. Temos representantes da família morando aqui, então é uma delícia ver esse evento sacudindo a cidade, gerando emprego e renda. Olhe a quantidade de pessoas que temos aqui", comemorou.
 
Marivaldo Santos, de Maragojipe, foi assistir a chegada com a família, entre adultos e crianças, totalizando nove pessoas. "É uma festa bonita e importante. Movimenta a cidade, é boa para a economia", destacou. Toda a família foi atendida no restaurante onde trabalha dona Antônia Dias. Ela também elogiou o evento. "Com a regata, chega turista, gera emprego e capital. A cidade melhora cada vez mais".