Morales denuncia tentativa de golpe e declara estado de emergência

         



O presidente da Bolívia, Evo Morales, considerou, ontem, quarta-feira (23) que as acusações de “fraude” contra os resultados eleitorais preliminares constituem tentativa de “golpe de Estado” e declarou estado de emergência. O país tem sido palco de intensos confrontos desde que foram divulgados os resultados eleitorais provisórios, que indicam vitória de Morales no primeiro turno.

Três dias depois de as urnas terem encerrado e de terem sido anunciados os resultados preliminares das eleições presidenciais, Morales quebrou o silêncio e afirmou que está “em marcha um golpe de Estado” por parte dos seus adversários políticos.

Eleições gerais
As eleições gerais bolivianas ocorreram no domingo (20). O presidente Evo Morales disputa a recondução ao 4º mandato, tendo como principal opositor Carlos Mesa. Para vencer no 1º turno, um candidato deve ter mais de 40% os votos, com diferença de mais de 10% do segundo colocado. Após o encerramento da votação, teve início o que é chamado no país de “contagem rápida”, por meio da transmissão de dados ao Tribunal Supremo Eleitoral.

A transmissão foi interrompida na noite de domingo, quando Morales vencia por uma margem um pouco menor do que os 10% necessários para a vitória no 1º turno. A contagem foi retomada no fim da segunda-feira. Considerando votos do exterior, Morales ganharia por uma pequena margem. A suspensão gerou a saída de integrantes do TSE.

Diante do quadro, opositores ao atual presidente promoveram atos contra sedes do Órgão Eleitoral Plurinacional (OEP). Segundo a autoridade, devido às manifestações violentas, as atividades nos tribunais regionais em seis estados - Santa Cruz, Potosí, Chuquisaca, Beni, Tarija e La Paz - foram suspensas.