Oposição protocola pedido de cassação de Eduardo Bolsonaro por apologia à tortura

         



Depois de ser alvo de uma notícia-crime no Supremo Tribunal Federal, o deputado Eduardo Bolsonaro será agora alvo de uma representação no Conselho de Ética para ter seu mandato cassado por apologia à ditadura militar.

A representação é protocolada na tarde desta terça-feira 5 por deputados de oposição, como PT, PSOL e PCdoB.

Para Marcelo Freixo (PSOL-RJ), o filho de Jair Bolsonaro fez uma "afronta à Constituição e ao Estado de Direito ao defender um novo AI-5 e devido ao discurso realizado no plenário da Câmara em que fez apologia ao golpe".

"Na semana passada, em entrevista à jornalista Leda Nagle, Eduardo Bolsonaro disse que se houver uma "radicalização da esquerda", o governo poderá editar um novo Ato Institucional Número 5 (AI-5) - em referência à medida mais restritiva do regime militar, promulgado em 1968.

Antes da entrevista, Eduardo havia subido ao plenário da Câmara para dizer que "a história poderia se repetir", em alusão ao golpe militar de 1964". Depois de forte reação das instituições, ele recuou e pediu "desculpas a quem porventura tenha entendido" que ele estivesse estudando o retorno do AI-5.