PSOL quer explicações sobre a morte do miliciano Adriano da Nóbrega

         



O PSOL, emitiu, hoje (9), nota em que diz ter tido ciência da morte do miliciano Adriano da Nóbrega, na Bahia. Na nota enviada para a imprensa, assegura ter o miliciano "ligação Flávio Bolsonaro, sendo um dos chefes da milícia conhecida como ´Escritório do Crime`". Adriano estava foragido "e era suspeito de envolvimento no assassinato de nossa companheira Marielle Franco e Anderson Gomes", diz o comunicado, prosseguindo:

"A Executiva Nacional do PSOL exige esclarecimentos sobre as circunstâncias da morte do miliciano e, através de sua Executiva Nacional, de sua direção regional Bahia e parlamentares, solicitará uma audiência com a Secretaria de Segurança Pública daquele estado para obter maiores informações, uma vez que Adriano da Nóbrega era peça chave para revelar os mandantes do assassinato de Marielle e Anderson. Avaliaremos medidas que envolvam autoridades nacionais. Seguimos exigindo respostas e transparência para pôr fim à impunidade".