Lavagem de Itapuã comemora 115 anos

         



Com homenagens ao ex-ministro e cantor Gilberto Gil e à sambista Gal do Beco, a Lavagem de Itapuã acontece nesta quinta-feira (13), ao som do Bando Anunciador. O grupo de percussionistas formado por senhores e senhoras sai às ruas do bairro para noticiar a grande festa popular, 115 anos de tradição e resistência. Seguem-se a tradicional lavagem das escadarias da Igreja de Nossa Senhora da Conceição, café da manhã, cortejo de baianas e desfile de entidades, entre elas os blocos Malê Debalê, Bloco dos Cornos e As Santinhas. A organização do evento é da Associação dos Moradores de Itapuã (AMI).
 
Nascida Maria das Graças Osvaldo, no Rio de Janeiro, Gal do Beco tem parte da sua vida ligada à história de Itapuã. Ali fez morada durante 11 anos, montou uma barraca na Rua F, a Momentos da Gal, e construiu amizades. Até se mudar para a Vasco da Gama, onde abriu o bar Beco da Gal, em sociedade com uma amiga. A veterana das rodas de samba chegou a Itapuã no final dos anos 1970, casada com o artista plástico Roberto Oswaldo Griot, mas não conviveu com Gilberto Gil, que foi morador da Rua do Retiro.

As lembranças do ilustre vizinho, e de outros artistas como Jorge Mautner e Novos Baianos, são parte da memória de Cleude Silva de Melo, filha de Dona Clara, as mãos que costuraram as roupas dos Doces Bárbaros (formado por Gil, Gal Costa, Caetano e Bethânia) e também de Raul Seixas. Ela lembra que o cantor alugou uma residência ao lado da sua, no mesmo local onde ainda mora, na década de 1970. "Veio com Sandra (Dedé), Pedrinho, Maria  e Preta Gil, eram todos crianças".