Orí e Holismo no Candomblé Jeje-Nagô da Bahia de Todos os Dias é tema de palestra no IGHB

         



Em tempos de prática diuturna de intolerância religiosa em desfavor das religiões de matriz africana, torna-se imperativo para o Povo de Santo levantar a voz a partir de toda e qualquer plataforma que se mostrem como possível Lugar de Fala.

É assim que o tema “Orí e Holismo no Candomblé Jeje-Nagô da Bahia de Todos os Dias” será abordado em palestra a ser proferida no Instituto Geográfico e Histórico da Bahia, dia 18 de março, às 17h, pelo Sacerdote, Escritor e Professor Mawo Adelson de Brito, um dos zeladores da instituição Casa de Azansù.

Um dos objetivos do evento é fornecer contribuições holísticas embutidas na nossa herança Ancestral Africana, representada pelo Candomblé Jeje-Nagô. “Nós, Povo de Santo, mais do que nunca, devemos nos posicionar como arautos e baluartes da Sabedoria Ancestral, alvo de movimentos de desvalorização irracional, por conta da afirmação espúria de um modelo de sociedade copiado do “primeiro mundo” que despreza os valores africanos essenciais para uma vida comprometida com a Cosmogonia Universal, como é, em verdade, a vida do afrodescendente”, explica o professor Adelson.

Para o especialista, “é incontornável que tomemos como atitude a construção de uma base de conhecimentos da nossa história e nossas liturgias, para que possamos responder de forma altiva ao racismo que nos avilta mediante a instalação de uma conjuntura institucionalmente perversa e falsamente desdenhosa, visto ser esse “desdém” um movimento social e político pro-forma”.

Durante a palestra o professor vai destacar, enquanto explica usos e práticas, que o princípio geral do Holismo - cujo resumo é atribuído ao filósofo grego Aristóteles (384 A. C. - 22 A.C.) quando afirma que “o todo é muito mais do que a soma das partes” -, é parte da prática profilática exercida pelo Candomblé Jeje-Nagô da Bahia no dia a dia.

O IGHB é uma das instituições apoiadas pelo programa Ações Continuadas a Instituições Culturais, iniciativa da Secretaria de Cultura do Estado da Bahia (SecultBA) através do Fundo de Cultura da Bahia (FCBA).