Nelson Leal diz que população deve continuar em isolamento social e critica fala ´incoerente` do Presidente da República

         



O presidente da Assembleia Legislativa da Bahia – ALBA, deputado Nelson Leal, instou hoje (25.03) os baianos a ficarem em casa, continuando a prática do isolamento social. “Estamos com um baixo nível de infectados pelo Covid-19 graças à ação do Governo do Estado, com o apoio dos deputados desta Assembleia que votaram, por unanimidade, nos dois decretos – estadual e municipal – pelo estado de calamidade pública. Portanto, esqueçam a fala de ontem, desproposital e incoerente, do Sr. Presidente da República, Jair Bolsonaro: continuem em casa, porque é a nossa chance de ganhar esta batalha”, argumenta Leal.

Para o chefe do Legislativo estadual, reabrir o comércio e retornar as aulas nas escolas é uma recomendação que vai de encontro ao que prega o seu próprio Ministério da Saúde e o que preconiza a Organização Mundial da Saúde. “O Presidente foi muito infeliz no seu pronunciamento, indo na contramão do que estão fazendo os EUA, a Europa, a China, a Índia, a Austrália. O que os governadores e prefeitos – inclusive o governador da Bahia, Rui Costa – estão fazendo é tentando salvar vidas. A economia vai sofrer grandes impactos, mas a hora agora é de tentar reduzir, ao máximo, o número dos que vão morrer com o Covid-19”, diz Leal.

O presidente da ALBA reforça que o isolamento social - ficar em casa - é a chance possível que temos de evitar uma tragédia maior, como a que acontece com a Itália, que só foi tomar atitudes mais sérias quando a epidemia já havia se espalhado e registra, em números de hoje, mais de 7 mil mortos pela epidemia do vírus. “Depois de tudo que estamos assistindo no mundo, esperava-se que o Presidente nos enviasse uma mensagem de segurança e de proteção aos brasileiros. Ao contrário, ele jogou o país em um abismo maior do que o já vivemos, conseguindo a proeza de ser dissonante do seu próprio governo, do seu país e do mundo. Vamos ficar em casa, diminuir a curva do contágio e ter um amanhã de mais alegrias e menos tristeza”, recomenda Nelson Leal.