VITÓRIA NÃO PASSA DE EMPATE COM OPERÁRIO NO BARRADÃO

         



Por Zédejesusbarreto
Mais um empate do Leão em casa, 1 x 1, contra o Operário, uma equipe que está no meio da tabela de classificação, almeja apenas chegar aos 44 pontos e permanecer na Série B. Um  resultado ruim para o Rubro-negro baiano que está a apenas dois pontos da zona de degola e pode terminar a rodada (32ª) entre os quatro últimos, seria um desastre. A equipe de Rodrigo até correu, brigou, teve mais posse de bola, mas levou outro gol de cabeça e criou pouco, sobretudo na segunda etapa.

  *

  Vasco Campeão  sub-20

  No Rio, num jogo emocionante, o Bahia sub-20 chegou a virar, fazer 3 x 2 no Vasco, em São Januário, mas, já com um atleta a menos em campo, levou um gol nos acréscimos e deixou escapar o título :  3 x 3 no final,  Vasco Campeão da Copa do Brasil sub-20, porque venceu a primeira em Salvador, 2 x 1.  Parabéns aos vascaínos, primeiro título de 2021. Parabéns também aos jovens atletas tricolores, pela garra e determinação. Alguns desses garotos merecem chance no time de cima, sim.

**

Com bola rolando no Barradão

  Mal começou, o Leão ofensivo ... 

- Gol ! 1 x 0 , Vico, cobrando falta da entrada da área, com categoria, de canhota, acertando o canto. Aos 2 minutos.

 O gol sofrido, logo de cara, obrigaria o Operário a sair pro jogo, adiantar sua marcação, buscar o empate, abrindo-se porém atrás, mais vulnerável aos contragolpes em velocidade do time da casa.

 - Gol ! 1 x 1, aos 7 minutos. O empate saiu, como sempre, de bola alçada. Marcelo bateu falta e R Bueno subiu mais que a zaga baiana, acertando uma testada no canto, com a pelota tirando lasquinha no poste antes de chegar às redes.

  Jogo quente e bom de ver, as duas equipes buscando o gol, agudas. Antes dos 10 minutos, dois gols frutos de ‘bola parada’, cobrança de faltas.

  Aos 12’, após boa troca de passes no ataque, Vico disparou forte, por cima. Aos 22’, Thiago arrisco, a bola desviou no caminho e passou raspando o poste do goleiro uruguaio (ex-Vitória) Martín. Aos 38’, outra tentativa do Leão, esse de longe, nos braços de Martín. Aos 45’, após uma série de erros defensivos dos donos da casa, o Operário assustou e terminou a primeira etapa pressionando.

*

 O Vitória de Rodrigo é, sem dúvida, uma equipe mais arrumada e com proposta de jogo agudo, atacando com objetividade, sempre buscando a finalização. O Operário equilibrou no meio campo e não se arriscou muito, foi mais cauteloso, saindo só na boa.  

*

 O Vitória voltou dos vestiários cadenciando mais o ritmo, valorizando a posse de bola, evoluindo com troca de passes. Algumas divididas mais duras. Aos 6’, Leo Caerá bateu falta forte, a bola tinha endereço certo, mas Martín espalmou. O Leão parecia com mais apetite, correndo e brigando muito. Mas, aos 10’, Douglas Coutinho tentou de longe e acertou o travessão de Cesar, que voou e não chegou nela. Quase. Aos 16, F Neto respondeu, Martín encaixou no chão.

  Aos 23’, Rodrigo pôs Ewandro em campo no lugar do meia Frizzo, mais força no ataque. Em busca do triunfo. Aos 30’, bomba de Vico, da entrada da área, Martin rebateu no reflexo. O  Leão em cima, pondo pressão, melhor em campo. Os visitantes se resguardando, chegando pouco na frente. O tempo passando, muita marcação, correria, mas poucos lances de área.

 Aos 40’, em outra bola alçada na área rubro-negra, a defesa pregada, o becão Ricardo testou livre, mas por cima. Aos 48’, Wallace salvou na pequena área, cruzamento perigoso. Aos 49’, Samuel bateu cruzado, por cima. E foi só.

*

 Destaques

 Vico, pelo primeiro tempo; Thiago enquanto teve pernas; a regularidade de Rend.

  No Operário, a dupla de miolo de zaga, sem erros; a postura tática coletiva da equipe.

*

 Escalações

 - Vitória : Cesar, Bocão, Wallace, J. Victor e Rafael Carioca; Rend, Frizzo (Ewandro), Fernando Neto (Lucas Cândido) e Thiago Lopes (Samuel); Vico (Marcelinho) e Leo Ceará. Treinador, Rodrigo Chagas.

 - Operário : Martín, Alex Silva (Alemão), Bonfim, Ricardo e Reniê; Jimenez, Marcelo Pinto (Vilela) e Tomás Bastos (Chorão); Douglas Coutinho (Matranhão), Ricardo Bueno (Pedro Ken) e Rafael. Treinador, Matheus Costa.

  Arbitragem do Piauí; no apito, Antonio Dib Moraes Souza.

*

  O próximo compromisso do Leão baiano é no sábado, dia 9, às 19 hs, no Estádio Independência/ BH; encara o América MG, time que disputa a liderança da competição com o Chapecoense, ambos já com 63 pontos ganhos e virtualmente galgando a Série A/2021.

**

  COPA DO BRASIL SUB-20

  O Bahia foi pra São Januário disputar o título em desvantagem (perdeu em casa, 2 x 1) e, por isso, precisava de fazer gols.  Entrou em campo com a estratégia de marcar na frente, pressionar, explorar a velocidade e disputar todas. No começo deu certo, mas, aos poucos, na manha, o Vasco foi quebrando o ritmo do adversário, equilibrando, explorando o nervosismo e ansiedade dos baianos.  Assim, aproveitando os vacilos defensivos dos tricolores, o Vasco fez dois gols. Mas, na bola, o Bahia diminuiu (2 x 1) ainda na primeira etapa.

  Os meninos do Bahia foram pra cima na segunda etapa e o Tricolor virou, fez 3 x 2, na bola e na raça, com gols de Borel e Marcelo. Com esse resultado a decisão iria para a cobrança de penalidades. 

  Daí... aos 30’, o zagueiro Gabriel do Bahia foi expulso após parar um ataque vascaíno cometendo falta quase em cima de linha da grande área. Foi decisivo para o que aconteceu no final.

 Ficou dramático. O Vasco querendo o gol para evitar a cobrança de pênaltis, e o Bahia, com um atleta a menos, lutando para garantir o resultado ou, com um pouco de sorte, ampliar, definir, matar o jogo. Aos 34’, teve boa chance, mas o atacante errou a finalização, de frente. O time carioca foi para pressão total, fez substituições e pôs todos no ataque, o Bahia se defendendo, suportando.  Ataque contra defesa.

  E a árbitra deu sete minutos de acréscimos. Aos 47’, o garoto Caio Eduardo, que acabara de entrar, avançou inteiro pela esquerda, ninguém conseguiu detê-lo, e , sem ângulo ele encheu o pé, de canhota, empatando e dando o título ao Vasco. Título inédito.  

  *

 O time titular do Bahia volta a campo nesta quarta, Dia dos Santos Reis (6 de janeiro, festa na Lapinha). Com a corda da zona de rebaixamento no pescoço, sob o comando de Dado Cavalcanti, encara o bom time do Grêmio em Porto Alegre, valendo pela 28ª rodada do Brasileirão Série A.   É vencer ou vencer...   ou entrar na zona, areia movediça.

**
Foto: Pietro Carpi/ECV