ABERRO-MAN

         



Por Henrique Ribeiro
O Dr Teócrito era médico, cientista, vaidoso, aficionado e determinado
em por em prática suas pesquisas e sempre pensou que fosse possível
criar o ser humano a partir de cadáver.
Sua determinação levou-o a por em prática sua teoria e após várias
tentativas conseguiu êxito, criou uma criatura do sexo masculino muita
estranha. Após sua realização desprezou o ser que criou.
A criatura não gostou do desprezo, se sentiu solitária e decidiu se
vingar do criador, matando por estrangulamento o irmão menor do
doutor, não satisfeito pegou uma correntinha que o menor Lázaro usava
e colocou no bolso da prima Eunice enquanto ela dormia. Ela foi
julgada culpada pela morte do menor, esteve presa e morreu de
desgosto.
Teócrito resolve procurar a criatura, que declarou culpado pela morte
do menor e colocar a culpa em Eunice. O doutor tentou resolver a
situação de todas maneiras, inclusive tentando eliminá-lo mas não
conseguiu.
A criatura pediu ao criador que lhe ouvisse e disse:
- Você me criou, me deixou inteiramente só e com meu aspecto horrível
não consigo aproximar das pessoas, sou inteiramente rejeitado. Eu
estava a beira de um lago e uma criança estava se afogando e eu a
salvei, a família em vez de agradecer, tentou me agredir e tiver que
fugir. Outro período tentei conviver com uma família numa fazenda, o
dono era cego, tinha uma filha e um filho, passei vários dias tentado
me aproximar, mas tinha medo da reação deles. Um dia, os filhos
saíram, eu tomei coragem e me aproximei do senhor cego, ele me tratou
muito bem, mas antes de da minha saída, os filhos voltaram, me botaram
para fora a pauladas e depois se mudaram para sempre dali. Eu lhe
pergunto como posso viver sozinho? Solicito que crie para mim uma
companheira. Prometo viver com ela e nunca mais vou lhe procurar ou
incomodar-te. Pense Deus criou Adão, mas lhe deu uma Eva, eu preciso
de uma companheira. O senhor cego era religioso e citou várias
passagens da bíblia para mim.
Teócrito pensou, pediu um tempo e decidiu atender o pedido da
criatura. Viajou para um lugar deserto com seu amigo Fidelis, onde
pudesse desenvolver sua experiência em segredo, isso após de acordar
com sua noiva Cris que casaria com ela depois dessa viagem. Ele
mantinha em segredo suas experiências até mesmo do seu maior amigo
Fidélis.
Teócrito deixa Fidélis numa cidade vizinha e aluga um sítio onde vai
desenvolver sua nova criação. No meio da experiência desiste e a
criatura fica revoltada, mata seu amigo Fidélis enforcado com o cinto
do doutor. Teócrito foi julgado e absolvido por que o dono do sítio
comprova que na hora do crime o doutor se encontrava na sede da
fazenda com ele.
A criatura se encontra com o criador e promete que vai aparecer na sua
noite de núpcia.
Dr. Teócrito se previne e vive armado com revolver e outras armas.
Marca o casamento faz uma festa discreta com familiares e vai para. um
hotel de luxo, para a lua de mel, com todo conforto e segurança.
Cris nota que seu noivo está inseguro e nervoso, mas acredita que seja
devido ao casamento. Ela é encontrada morta, estrangulada, no toalete
do hotel.
Teócrito fica desesperado e desenvolve uma caçada implacável, mas não
consegue capturar ou matar a criatura, acaba morrendo de depressão.
Após a morte de Teócrito, a criatura aparece e suicida-se pulando
dentro de uma fogueira que ele mesmo construiu.
Antes deixa uma carta declarando que não era mal e nem tinha ódio da
humanidade apenas queria convencer seu criador criar uma companheira,
por não suportar a vida solitária. Agora para ele a vida não fazia
mais sentindo.
--
Poeta e cardiologista