Adolfo Menezes abre reunião da Comissão de Educação da ALBA e diz que volta às aulas deve ser regida “pela ciência”

         



“A volta às aulas deve ser regida pela ciência e pela Medicina. Se houver condições de funcionamento, que se retomem as aulas presenciais. Caso contrário, é melhor que fiquemos em casa. A situação está se complicando, com 100% de ocupação dos leitos de UTI para a Covid-19. Em Araraquara/SP, que decretou o lockdown, já há filas para internação. Podemos ter uma repetição de Manaus por todo o País”, declarou o presidente da Assembleia Legislativa da Bahia – ALBA, deputado Adolfo Menezes, ao fazer a abertura ontem (16.02), pela manhã, da reunião da Comissão de Educação da ALBA, que debateu, por mais de 4 horas, o planejamento de retomada das aulas em tempos de pandemia.

Apenas o chefe do Legislativo e a presidenta da Comissão de Educação, deputada estadual Fabíola Mansur (PSB), participaram presencialmente da reunião. Os demais deputados integrantes da Comissão, especialistas e os secretários de Educação, Jerônimo Rodrigues, e de Saúde, Fábio Vilas-Boas - além do secretário de Educação de Salvador, Marcelo Oliveira - fizeram-no de forma remota, através da plataforma Zoom. “De forma inédita em toda a sua história, em plena Terça-feira de Carnaval, a ALBA trabalha normalmente e dá, mais uma vez, demonstração de seu compromisso com os interesses mais importantes do povo baiano”, destacou o presidente da ALBA.

“A discussão que tivemos na Comissão foi muito importante. A volta presencial às aulas, o mais rapidamente possível, depende de um consenso entre os protocolos, indicadores e rotinas que serão adotados. A pandemia da Covid-19 afeta diretamente a vida, comprometendo tudo, desde a rotina das famílias ao aumento dos prejuízos econômicos e do desemprego. Para garantir o retorno seguro precisamos desse debate, transparente e democrático, entre as instituições e a sociedade civil”, disse Fabíola Mansur.

Também participaram da reunião da Comissão o presidente da UPB, Eures Ribeiro; a promotora Cíntia Guanaes, do MP-BA; Rafson Ximenes, da Defensoria Pública; Jorge Tadeu, do Sindicato dos Estabelecimentos de Ensino do Estado da Bahia; Paulo Gabriel, do Centro de Educação Especial da Bahia; Rui Oliveira, da APLB Sindicato; Alessandra Assis, do Fórum Estadual de Educação da Bahia; Allyson Mustafá, do Sindicato dos Professores no Estado da Bahia; e Williams Panfile, da União dos Dirigentes Municipais de Educação.