Rui Costa critica Anvisa e prevê colapso em duas semanas

         



O governador da Bahia, Rui Costa (PT), voltou a tecer duras críticas e questionar a demora da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) em aprovar o uso emergencial no Brasil de vacinas contra a Covid-19. O petista cobrou a liberação imediata das vacinas Sputnik V, Covaxin e os imunizantes da Pfizer e da Moderna.

"O que justifica a Anvisa não regulamentar vacinas como as da Pfizer, da Moderna, a russa e a indiana? Será que a Anvisa considera que as autoridades sanitárias de saúde da Europa foram precipitadas em autorizar e aplicar largamente? Será que a Anvisa considera precipitada que a agência americana tenha autorizado também por lá? Fico me perguntando quantas mortes serão necessárias. Logo chegaremos a 250 mil. Quantas serão necessárias para sensibilizar a Anvisa? Isso deveria estar na lei. Se duas das agências principais do mundo, a europeia e a americana, aprovam, o que mais precisa? Documentos a, b, c, d… Eu não consigo entender. Não consigo deixar de mostrar minha indignação. O mundo inteiro está errado e a Anvisa está certa?", questionou

Rui reforçou que existe risco de colapso nas redes pública e privada de saúde. "Olhando os gráficos da Bahia, em duas semanas, por mais que a gente continue abrindo leitos, nós chegaremos ao colapso. A rede privada já chegou ao colapso. A previsão é essa, se não conseguirmos conter o crescimento, chegaremos ao colapso e eu acho que isso vai se estender pelo Brasil e teremos um alto número de óbitos, infelizmente", frisou.

"Estamos vivendo o pior momento desde o início da pandemia. Nós estamos com o número de leitos acima de 80% e olhe que é de um total de leitos hoje que é maior do que nós tínhamos no pico da pandemia. Ontem [domingo], ao falar com a subsecretária de saúde ela dizia: ‘governador, nesse exato momento, 100% dos leitos estão regulados". A taxa não é de 100% porque tem pacientes em deslocamento de ambulâncias", comunicou.

A Bahia alcançou a marca de 80% de ocupação dos leitos de UTI neste fim de semana. Diante disso, o governador ampliou o toque de recolher em vigor até o próximo domingo, dia 18. O decreto determina que, no período das 20h às 5h, será permitido o deslocamento apenas para ida a serviços de saúde ou farmácia ou "situações em que fique comprovada a urgência".
Da Tribuna